Tamanho do texto

BRASÍLIA ¿ O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira que uma das principais questões a serem resolvidas diante da crise financeira internacional é a volta do crédito. Segundo Lula, este será um dos assuntos que irá discutir com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, no próximo sábado. Lula afirmou que, contra a crise, não é hora de tagarelar, é hora de agir.

Eu tenho uma preocupação que é o restabelecimento do crédito no mundo. Hoje o maior problema significa ausência de crédito no mundo, ou seja, o dinheiro desapareceu. Eu quero conversar como o presidente Obama de forma muito franca, de como fazer para restabelecer o crédito internacional. Não é o crédito de Estado para Estado, é o crédito para quem tiver que tomar dinheiro emprestado, destacou Lula após a cerimônia de assinatura de atos referentes ao Estatuto do Torcedor.

Lula reafirmou ainda estar confiante de que o presidente Barack Obama consiga achar soluções rápidas para combater a crise. Eu penso que eu estou muito otimista com a possibilidade dos EUA encontrar uma saída logo. Estou muito otimista com a reunião do G-20 no dia 2, em Londres. Eu acho que os dirigentes estão compreendendo que agora é a hora da política. Ou nós assumimos a responsabilidade para esta crise e damos uma saída para ela ou iremos esperar dez anos, como o Japão esperou na década de 90. Nós não podemos esperar dez anos. Essa crise tem que terminar este ano. Portanto, tem coisas que precisam ser feitas com urgência. Eu sei algumas coisas que precisam ser feitas, vou conversar com Obama. Mas continuo com meu otimismo, ressaltou.

Lula voltou a criticar as práticas protecionistas adotadas por países desenvolvidos diante da crise econômica mundial. Precisamos deixar claro que o protecionismo pode ajudar momentaneamente, mas no médio prazo o protecionismo gera um desastre na economia mundial. O Brasil é contra a volta do protecionismo. Não é possível que um mundo rico que passou meio século dizendo que era preciso ter livre comércio agora ache que tem que voltar o protecionismo. O que precisa fazer é que os paises ricos precisam aprender a tomar conta dos seus bancos, ter uma regulação forte para os bancos para que a gente possa ter garantia que o sistema financeiro mundial estará vinculado diretamente ao setor produtivo. Isso é o que precisa ser feito. Não é hora de tagarelar, é hora de agir, completou Lula.

Caio Blinder comenta visita de Lula a Obama:

Leia mais sobre crédito

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.