Tamanho do texto

BRASÍLIA - O diretor de Proteção Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Flávio Montiel, disse que o quarto leilão do boi pirata, que ocorreria amanhã (5), será realizado no dia 12 de agosto. Segundo ele, o adiamento deve-se a uma liminar que proíbe o deságio de R$ 3,1 milhões para R$ 1,4 milhão no valor das cerca de 3 mil cabeças de gado apreendidas na Estação Ecológica Terra do Meio, no Pará.

Montiel não descartou, no entanto, a possibilidade de o governo não conseguir vender o gado. Nesse caso, segundo o diretor, os animais poderiam ser abatidos e carne seria destinada a programas sociais. Há possibilidade de fazermos uma permuta com alguns frigoríficos que venham a se interessar pelo gado, na qual a carne seria distribuída nos bancos de segurança alimentar dos programas Território da Cidadania e Fome Zero. Isso é uma maneira que a gente tem de buscar uma destinação social para esse gado, disse.

Nesse caso, assinalou Montiel, os frigoríficos não receberiam nenhuma forma de pagamento e o ganho seria a responsabilidade social.

Em relação às condições do gado apreendido, Montiel disse que os animais estão com saúde e há pasto para eles se alimentarem no local.

A reportagem da Agência Brasil esteve na Estação Ecológica da Terra do Meio e verificou que o gado sofre com a estiagem. A equipe de repórteres visitou três dos dez pastos da fazenda. Num deles, avistou uma concentração de urubus. No local, também havia duas carcaças de animais.

(Agência Brasil)