Tamanho do texto

Pequim, 1 abr (EFE).- A Chancelaria chinesa anunciou hoje que o presidente Hu Jintao levará a cabo durante o mês de abril uma viagem oficial pela América Latina na qual deve visitar o Brasil, a Venezuela e o Chile.

Pequim, 1 abr (EFE).- A Chancelaria chinesa anunciou hoje que o presidente Hu Jintao levará a cabo durante o mês de abril uma viagem oficial pela América Latina na qual deve visitar o Brasil, a Venezuela e o Chile. "A visita (à América Latina) tem um grande significado de promoção da amizade entre a China e estes três países. Achamos que a viagem será um sucesso", afirmou hoje o porta-voz do Ministério chinês de Assuntos Exteriores, Qin Gang. Qin explicou que o líder chinês viajará primeiro a Washington, nos dias 12 e 13 de abril, para participar de uma cúpula sobre segurança nuclear e depois, no entre os dias 14 e 17, o governante irá ao Brasil. Hu se reunirá com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e também de participar da cúpula dos países do Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), em Brasília. "Os países do Bric ajudarão a impulsionar a voz global dos mercados emergentes e os países em desenvolvimento", assegurou o porta-voz, que defendeu a "cooperação pragmática" entre as quatro potências regionais. A próxima parada de Hu na América do Sul será a Venezuela, nos dias 17 e 18 de abril, fechando com uma breve estadia no Chile, também no dia 18. "Nos últimos anos, a China e a América Latina experimentaram um aprofundamento da confiança política, uma expansão da cooperação econômica e uma maior comunicação nos assuntos internacionais", explicou Qin. "O objetivo da visita é aprofundar a amizade e aumentar a confiança e a cooperação mútuas à medida que vemos um desenvolvimento comum", concluiu. A América Latina absorveu a metade dos US$ 50 bilhões que China investiu no exterior em 2008, devido ao voraz apetite do país pelas matérias-primas da região. Segundo dados oficiais chineses, as trocas comerciais entre o gigante asiático e a América Latina alcançaram em 2008 os US$ 143,387 bilhões, com um aumento anual do 39,7%. EFE gmp/pb
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.