Tamanho do texto

Apesar do recuo de 1% nas cotações em maio frente a abril, problemas climáticos devem manter os preços elevados no próximo ano

selo

Os preços globais dos alimentos registraram uma leve queda de 1% em maio ante abril, segundo informou nesta terça-feira a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). A entidade alertou, no entanto, que problemas climáticos devem manter as cotações elevadas no próximo ano.

O índice de preço dos alimentos calculado pela FAO chegou a 232 pontos em maio, abaixo de 235 pontos em abril, mas ainda 37% superior ao patamar observado no mesmo período de 2010. O indicador já havia atingido uma máxima recorde em fevereiro.

A organização prevê que a colheita mundial de cereais subirá 3,5% neste ano, para 2,3 bilhões de toneladas, incluindo um crescimento de 3,2% na safra de trigo por causa de uma produtividade melhor na região do Mar Negro.

Contudo, a FAO advertiu que o baixo nível dos estoques na Europa e nos Estados Unidos indica que o mercado internacional do grão deverá continuar apertado na temporada 2011/12.

"A situação geral para as safras agrícolas e as commodities (matérias-primas) alimentícias é de aperto, com os preços mundiais em níveis persistentemente elevados, representando uma ameaça para muitos países de baixa renda com déficit de alimentos", afirmou David Hallam, diretor da Divisão de Comércio e Mercados da entidade.

Abdolreza Abbassian, analista da região do Mar Negro na FAO, disse: "Em geral, nós esperamos que o preço global dos alimentos diminua um pouco em relação ao nível atual no restante do ano, se as estimativas de produção se materializarem. Mas o panorama da oferta mundial segue apertado."

Segundo Abbassian, os planos do governo russo de retomar as exportações de grãos em 1º de julho deste ano ajudarão a reduzir os preços, mas ainda não está claro se o país cobrará taxas de exportação ou impostos.

Mesmo assim, a FAO acredita que o término da proibição de embarques será suficiente para compensar eventuais déficits na produção de trigo da Europa e dos Estados Unidos no próximo ano-safra. "Supondo que as estimativas de produção estão corretas, a oferta mundial de trigo para o próximo ano será mais adequada que no ano anterior", informou a entidade.

Para temporada 2011/12, a organização projeta as exportações de trigo e de grãos da Rússia em 5 milhões e 11 milhões de toneladas, respectivamente. A FAO classificou o mercado global de milho como motivo de preocupação.

"Há potencial para os preços subirem devido ao baixo nível dos estoques mais para frente. Isso pode alavancar a alta de outras commodities alimentícias, como resultado", afirmou Abbassian. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.