Tamanho do texto

Nova York, 2 jul (EFE).- O preço do barril de Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) subiu hoje 1,84% e fechou a um preço recorde de US$ 143,57, depois que o Departamento de Energia americano informou que as reservas de petróleo dos Estados Unidos se reduziram em mais de dois milhões de barris na última semana.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de futuros do WTI, de referência nos Estados Unidos, subiram US$ 2,6 e fecharam pela primeira vez acima dos US$ 143, após tocar, durante o pregão, um recorde histórico de US$ 143,91.

A alta do petróleo ocorreu após ser divulgado que as reservas de petróleo nos Estados Unidos se reduziram em dois milhões de barris na semana passada, até 299,8 milhões.

O Departamento de Energia americano informou hoje dessa redução, que quase duplica as previsões dos analistas e que deixa as reservas 15,3% abaixo do nível de há um ano.

No que se refere ao estoque de gasolina, o departamento afirmou que as reservas aumentaram em 2,1 milhões de barris, até 210,9 milhões, apesar de os analistas esperarem um aumento de 500 mil barris.

Apesar destes dados, o preço dos contratos de futuros da gasolina para entrega em agosto subiu US$ 0,03, até os US$ 3,54 por galão, frente aos US$ 3,51 do fechamento anterior.

As reservas de combustível para calefação subiram em 1,3 milhão de barris em relação à semana anterior (a metade do previsto pelos analistas), o que supõe um aumento de 1,1%, situando-as em 120,7 milhões.

Na Nymex, o combustível para calefação para entrega em agosto subiu US$ 0,13, para fechar a US$ 4,07 por galão, frente aos US$ 3,94 de terça-feira.

O Departamento de Energia americano informou que, na semana passada, as refinarias petrolíferas dos Estados Unidos operaram a 89,2% de sua capacidade, acima dos 88,6% ao que trabalharam na semana anterior.

Já os contratos de gás natural para entrega em agosto desceram US$ 0,12 e terminaram o pregão a US$ 13,38 por cada mil pés cúbicos.

EFE bj/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.