Tamanho do texto

Os contratos futuros de petróleo fecharam acima de US$ 90 por barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), recuperando-se da queda para os preços mínimos de oito meses registrada ontem. Os operadores apontaram vários motivos para a alta, entre elas o discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, sugerindo que o banco central norte-americano poderá baixar a taxa básica de juros, o que poderia estimular a economia e ajudar a estabilizar o consumo de petróleo.

O plano do Fed para ajudar o mercado de commercial papers, anunciado esta manhã, também contribuiu para a reação positiva do petróleo, segundo operadores.

Além disso, disseram, se o preço voltar a cair a Opep deve reduzir a produção de petróleo. Desde o recorde alcançado em julho, a cotação do combustível recuou mais de US$ 55. O diretor da agência de petróleo da Líbia defendeu que os produtores reduzam a oferta para proteger suas receitas se os preços continuarem em torno de US$ 90 por barril, de acordo com informações da Agência France Presse.

Os exportadores de petróleo, contudo, devem sofrer as conseqüências da desaceleração da economia mundial. "O mercado está realmente difícil", afirmou Andy Lebow, vice-presidente sênior para energia da corretora MF Global Ltd.

Esta manhã, o contrato para novembro subiu momentaneamente para US$ 93,02 depois que a agência de notícias iraniana Fars informou que um avião militar dos Estados Unidos havia invadido o espaço aéreo da república islâmica, sendo forçado a aterrissar a seguir. Mas a informação foi logo desmentida. O Irã, segundo maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), informou que o avião era, de fato, húngaro e não transportava norte-americanos.

Na Nymex, os contratos de petróleo com vencimento em novembro subiram US$ 2,25 (2,56%) e fecharam a US$ 90,06 por barril no pregão regular. Incluindo as transações do sistema eletrônico Globex, a mínima foi de US$ 87,87 por barril e a máxima de US$ 93,02. No sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para novembro subiram US$ 0,98 (1,17%) e fecharam a US$ 84,66 por barril. A mínima foi de US$ 82,84 e a máxima foi de US$ 87,99.

O índice Dow Jones caía 150 pontos quando o pregão viva-voz da Nymex fechou. Depois, a Bolsa de Nova York acelerou a queda e chegou a recuar mais de 500 pontos. Os operadores de petróleo estão realmente observando o mercado de ações mais do que qualquer outro, afirmou Justin Fohsz, corretor da Starsupply GFI.

A demanda nos Estados Unidos, maior consumidor mundial, está enfraquecendo. Em uma estimativa atualizada hoje, o Departamento de Energia (DOE) informou que o consumo doméstico deverá cair 110 mil barris por dia em 2009, o que marcaria o quarto ano consecutivo de queda. O departamento também reduziu em mais de 50% a sua estimativa para o consumo mundial de petróleo em 2009, dizendo que o uso do combustível deverá crescer apenas 440 mil barris por dia, ou 0,5%, para 86,92 milhões de barris por dia. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.