Tamanho do texto

A Petrobras formalizou hoje com o BG Group a constituição de uma joint venture para desenvolvimento de um projeto de construção de uma unidade de liquefação de gás natural embarcada (GNLE). A planta deverá operar no polo pré-sal da Bacia de Santos, localizado a 300 km da costa.

A unidade de GNLE é uma das soluções tecnológicas de transporte para escoar o gás natural produzido nas camadas de pré-sal. A liquefação de gás natural ocorre tradicionalmente em unidades instaladas em terra.

Devido à distância entre a costa e as áreas em que estão localizados os blocos do polo pré-sal da Bacia de Santos, a Petrobras decidiu avaliar a instalação dessa unidade para escoamento da produção de gás. Em 2011, a partir da análise de viabilidade técnica e econômica do projeto e de outras soluções alternativas, como a instalação de gasodutos submarinos, será decidida a melhor opção para escoamento do gás do polo pré-sal da Bacia de Santos. Sendo instalada próxima às plataformas, a planta de GNLE receberá o gás associado e fará o processamento e a liquefação do gás natural, do butano, do propano e do condensado. A capacidade de processamento é de até 14 milhões de metros cúbicos por dia de gás associado.

Na unidade de GNLE, também será feito o armazenamento e a transferência dos produtos processados para navios metaneiros, que farão o transporte até o mercado consumidor. No caso do GNL, o produto será entregue em terminais de regaseificação, onde o gás natural é transformado do estado líquido para o gasoso e, finalmente, injetado na malha de gasodutos.

No Brasil, os terminais de regaseificação de GNL da Petrobras estão instalados em Pecém (CE) e na Baía de Guanabara (RJ). Estratégico para a Petrobras e para o BG Group, o projeto permitirá monetizar as reservas de gás no polo pré-sal da Bacia de Santos, garantindo flexibilidade para atendimento ao mercado interno e a possibilidade de exportação no mercado de curto prazo (spot) em períodos de demanda reduzida no segmento termelétrico no Brasil.

A decisão de constituir a joint venture concilia as expertises reconhecidas internacionalmente das duas empresas: a Petrobras, na exploração e produção de petróleo e gás natural em águas profundas; e o BG Group na produção e comercialização de gás natural liquefeito (GNL).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.