Tamanho do texto

A Petrobras alerta: o mundo terá de se acostumar a conviver com um preço alto do petróleo e alerta que há uma falta de materiais para a exploração do combustível, de limitações na mão-de-obra e de uma explosão na demanda. O presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, adverte que os custos de produção explodiram nos últimos meses e que a pressão inflacionária continuará sendo sentida no setor.

"Produtores de aço, construtores de navios e de gasodutos podem ter problemas para atender a demanda", disse Gabrielli.

Segundo ele, há uma falta de aço e de outros componentes no mercado que estão fazendo com que os preços desses materiais aumentem. O resultado é o encarecimento da produção e a manutenção dos preços altos do petróleo. "Precisamos repensar a relação entre os produtores e os canais de distribuição", disse.

"Para incrementar a produção a partir de agora os custos serão maiores. Cada barril extra hoje custará mais para produzir do que um barril explorado no passado. Isso é um sinal de que, para o futuro, não devemos esperar uma queda dramática no preço internacional, pois os custos vão aumentar", afirmou.

No caso do Brasil, Gabrielli alerta que os investimentos para a zona do pré-sal serão "enormes". "Sabemos que temos muito petróleo a ser desenvolvido. Mas precisamos de muita infra-estrutura para tudo isso e de um novo modelo de produção. Vamos precisar, por exemplo, de 72 novos tanques e 146 barcos. Uma das limitações será mesmo o incremento no custo desses projetos", apontou o presidente da Petrobras, apontando para a alta nos preços de aço e outros fatores de produção.

Mão-de-obra

O mundo ainda precisará de pelo menos mais 10 mil engenheiros e administradores nos próximos dois anos para suprir a demanda de empresas do setor de petróleo. Gabrielli admitiu que há a possibilidade de uma falta de mão-de-obra no setor no futuro. "Vamos sofrer limitações no mercado de trabalho, vamos precisar de novas pessoas, mais do que estão disponíveis", afirmou Gabrielli.

O executivo afirmou que a Petrobras está se preparando para o desafio e alerta que todo o setor passa pelo mesmo problema. "Temos que transferir mais conhecimento e treinar nossa mão-de-obra", disse. Hoje, entre os quase 70 mil empregados da Petrobras, dois terços tem mais de 17 anos na empresa. Gabrielli, porém, aponta que a empresa está contratando neste momento 2,6 mil trabalhadores. "Recebemos 450 mil inscrições. Portanto, não há um limite no Brasil hoje, mas pode existir no futuro", alertou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.