Tamanho do texto

Mesmo com problemas para pagar as dívidas, boa parte dos consumidores pretende continuar a comprar a prazo e, principalmente, produtos mais caros que elevam consideravelmente o comprometimento da renda mensal. De acordo com pesquisa sobre o perfil do inadimplente, feita semestralmente pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), 29% daqueles com pendências financeiras pretendem comprar e pagar de forma parcelada nos próximos meses, e o produto mais desejado por eles é o automóvel.

Mesmo com problemas para pagar as dívidas, boa parte dos consumidores pretende continuar a comprar a prazo e, principalmente, produtos mais caros que elevam consideravelmente o comprometimento da renda mensal. De acordo com pesquisa sobre o perfil do inadimplente, feita semestralmente pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), 29% daqueles com pendências financeiras pretendem comprar e pagar de forma parcelada nos próximos meses, e o produto mais desejado por eles é o automóvel. "Muitos se tornam superendividados por essas práticas. A pessoa tem crédito em diversas lojas e acaba contraindo dívidas que vão além da capacidade de pagar. E isso não para", diz Marcel Solimeo, economista da associação. O estudo mostra que em 2009, a intenção de comprar dos endividados estava contida por causa da crise - 21% queriam voltar a comprar a prazo. No entanto, com a retomada de crédito, esse índice passou para 29%. Solimeo explica que esses consumidores pretendem limpar o nome para assumir uma nova conta, mas isso não quer dizer que ele esteja com os problemas financeiros resolvidos. "A partir do momento que a pessoa renegocia a dívida, o nome sai da lista de inadimplentes. No entanto, ele poderá fazer uma compra e ainda ter a dívida antiga para pagar, comprometendo ainda mais a renda", explica. Para o professor de Finanças do Insper, Liao Yu Chieh, se a pessoa está inadimplente, a "bola de neve" já foi criada e novas compras só irão aumentar os problemas. "Muitas vezes, as pessoas não têm educação financeira para gerenciar suas próprias contas", diz. O economista da ACSP atribui o endividamento ao perfil financeiro do consumidor. O levantamento mostra que a maioria dos endividados tem renda mensal familiar de um a três salários mínimos (R$ 550 a R$ 1.530). "É uma classe de renda que passou a ter acesso a crédito mais recentemente. Esse público ainda não está acostumado a ter controle financeiro", comenta o especialista. Chieh também aponta o próprio comércio como culpado pelo aumentos das contas atrasadas. Segundo o professor, o investimento das empresas na classe C e D faz com que essa população passe a consumir produtos que antes não faziam parte do orçamento, comprometendo os ganhos da família. "O apelo para o consumo é muito grande", afirma. O professor das Trevisan Escola de Negócios, Alcides Leite, também acredita que o comércio poderia contribuir para diminuir o nível de calote. "Os lojistas poderiam ser mais criteriosos na hora de liberar o crédito. As entidades de consulta ao crédito podem colaborar nesse sentido. O aumento da inadimplência só prejudica o próprio comerciante", diz. Para aumentar esse critério das empresas em conceder crédito, a ACSP reivindica a aprovação no Congresso do Cadastro Positivo, que funcionaria como uma banco de dados único sobre os gastos do consumidor. O levantamento ainda aponta um crescimento no volume de carnês com pagamento em atraso. Neste ano, o índice de consumidores que devem em dois carnês foi de 33%, ante 25% no ano passado e 22% no ano anterior. Em três carnês, os porcentual de endividados foi de 22%, contra 9% no ano passado e 21% no período anterior. A principal causa da inadimplência ainda é o desemprego (38%), mas esse fator tem diminuído a sua influência no resultado da pesquisa - (42% em 2009 e 52% em 2008). O descontrole financeiro era de 13% há dois anos, caiu para 12% no ano passado, mas subiu para 14% em 2010. Contudo, a inadimplência geral vem caindo. Dados da ACSP indicam que o número de registros de inadimplência retirados do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) aumentou 8,1% na comparação com o primeiro bimestre de 2010, quando foram contabilizados 701.504 registros, e o mesmo período de 2009, com 648.692. Quem é Os dados da pesquisa da associação mostra que o inadimplente utiliza mais o carnê para realizar as compras (39%), que acaba ficando sem ser pago, pois o acesso é mais simples do que os meios bancários, como cheque e cartão de crédito. A idade predominante entre os que estão com as contas atrasadas é de 31 a 40 anos (38%), seguido pela faixa etária dos 21 a 30 (28%) e 41 a 50 (17%). A maioria são homens (55%).
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.