Tamanho do texto

Teerã, 28 nov (EFE).- O Parlamento iraniano poderia pedir a retirada do Irã do Tratado de Não-Proliferação Nuclear, advertiu hoje o deputado conservador Mohamad Karamirad.

Em declarações divulgadas pela agência oficial de notícias "Irna", o parlamentar sugeriu que a Câmara poderia impedir as inspeções dos analistas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

"Ao ser uma resolução ilegal e politicamente motivada, o Parlamento pode considerar a retirada do Tratado de Não-Proliferação", afirmou.

A advertência ocorre pouco menos de 24 horas depois da agência da ONU aprovar, pela primeira nos últimos três anos, uma resolução condenatória ao Irã por sua falta de cooperação e transparência em torno de seu controvertido programa nuclear.

A decisão da AIEA será discutida neste domingo pelo Parlamento iraniano, afirmou hoje Hussein Ebrahimi, membro da Comissão parlamentar de Segurança Nacional e Relações Exteriores.

"Nós respeitamos todos os acordos com a AIEA e o Tratado de Não-Proliferação, portanto a adoção dessa resolução é injusta. O motivo é político", afirmou Ebrahimi.

O deputado responsabilizou à AIEA pela nova polêmica e acusou os "Estados Unidos e certos países europeus" de quererem manter a todo custo uma posição antiiraniana.

"O Irã não tem medo desse tipo de resolução. Nosso dever é salvaguardar a postura do passado, resistir, perseverar e prosseguir com o desenvolvimento e o progresso nacional em todos os terrenos", acrescentou Ebrahimi, também citado pela agência "Irna".

O porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores do Irã, Ramin Mehmanparast, afirmou na sexta-feira que a nova resolução da AIEA não é mais que "uma tentativa inútil de aumentar a pressão sobre o Irã".

O citado documento, impulsionado pelos Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia, China e Alemanha, contou com o voto favorável de 25 países, enquanto três - Venezuela, Cuba e Malásia - votaram contra e seis - Turquia, Paquistão, Afeganistão, Brasil, África do Sul e Egito - se abstiveram.

Em resposta, o regime dos aiatolás já anunciou que reduzirá seu nível de cooperação com a agência das Nações Unidas e deu a entender que buscará urânio enriquecido que diz necessitar por outras vias.

Grande parte da comunidade internacional, com os Estados Unidos e Israel, acusam o regime iraniano de ocultar, sob seu programa nuclear civil, outro de natureza clandestina e aplicação militar cujo objetivo seria adquirir armas atômicas, alegação que Teerã nega. EFE jm/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.