Tamanho do texto

Ao relembrar privatização, fundador da Embraer afirma ter sido até "enterrado" por manifestantes. País precisa de empreendedorismo, afirma

Ozires Silva (à esquerda), ex-presidente da Embraer, com Frederico Curado, atual presidente da companhia
- Divulgação
Ozires Silva (à esquerda), ex-presidente da Embraer, com Frederico Curado, atual presidente da companhia
O empreendedorismo é o que está salvando os Estados Unidos da crise e deve ser incentivado no Brasil. A afirmação é de Ozires Silva, empreendedor e fundador da Embraer. “Precisamos fazer algumas correções de rumo para que o Brasil se torne um país empreendedor, e isso é muito importante”, afirmou ele durante palestra no Innovation Panel, evento promovido pelo Endeavor Brasil nesta quinta-feira no Rio.

Leia também: Jato Legacy 650 da Embraer é certificado na Índia

Para um público de investidores e empreendedores, Ozires Silva contou a história de empreendedorismo da Embraer e citou a inovação como fator importante para a sobrevivência de uma empresa.

“Tínhamos que fazer algo diferente do que os americanos e franceses faziam para não ter concorrência. Sabe o que aconteceu? Nós conseguimos”, afirmou ele, citando os aviões projetados especialmente para a aviação regional.

Ozires Silva destacou a importância da educação para o empreendedorismo. Segundo ele, a criação do Instituto de Tecnologia Aeronáutica (ITA) foi essencial para o nascimento da Embraer.

Privatização

O empresário arrancou risos da platéia ao contar histórias como, por exemplo, sobre a privatização da empresa. “Houve muitos protestos, sindicatos na porta, dizendo todo tipo de ‘elogio’, como vocês podem imaginar. Até enterrado eu fui, vocês estão vendo um homem exumado”, brincou.

Apesar da trajetória de sucesso, Ozires Silva citou várias dificuldades para vender os aviões da Embraer para o governo brasileiro, a mais recente de todas em relação a um modelo supersônico para a FAB. “Começamos a negociação no governo Fernando Henrique Cardoso, já passou todo o governo Lula e até agora não houve definição”, lamentou.

Aos empreendedores brasileiros, o empresário passou uma mensagem otimista: “ Sonhem. Eu acho que muitas coisas podem ser feitas. Pensem que vocês podem ficar grandes”, recomendou. E demonstrou confiança nos empresários brasileiros: “Não pensem que vão competir com os americanos e os europeus. Entrem na competição e eu tenho certeza de que temos chance .”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.