Tamanho do texto

Por Elzio Barreto SÃO PAULO (Reuters) - A construtora de navios para o setor petroleiro OSX Brasil, empresa controlada pelo bilionário Eike Batista, reduziu em dois terços a sua oferta inicial de ações após investidores se mostrarem receosos em pagar um preço considerado salgado para uma companhia iniciante ainda sem faturamento.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561801577&_c_=MiGComponente_C

A empresa reduziu a estimativa do valor total de seu IPO em cerca de 60 por cento, para 3,31 bilhões de reais. Quando anunciou sua oferta de ações, em 2 de março, ela pretendia captar quase 10 bilhões de reais.

A OSX informou em comunicado no final da terça-feira que planeja vender 3,06 milhões de ações ordinárias, contra 5,51 milhões de ações previstas anteriormente.

Enquanto isso, o preço estimado para o papel caiu para 800 reais, contra faixa estimada anteriormente de 1.000 a 1.333,33 reais.

A oferta pode ser acrescida de 1,07 milhão de ações caso haja exercício de lote adicional.

A decisão de reduzir a oferta é um revés para o empresário brasileiro, que figura como a oitava pessoa mais rica do mundo, tendo feito a maior parte de sua fortuna através de ofertas de iniciais de ações de suas empresas de mineração, energia, logística e petróleo.

"A questão foi certamente o preço", disse um administrador de fundo de investimentos que desistiu de participar do negócio e que pediu para não ser identificado.

"Há um sentimento de nervosismo entre alguns grandes investidores sobre a oferta e isso provavelmente afetou o negócio", acrescentou.

Apesar de um "modelo interessante de negócios", o IPO da OSX na faixa de preço anterior não oferecia ganhos (upside) aos investidores, afirmou Eduardo Roche, gerente de fundos na Modal Asset Management.

A OSX, que será listada apenas no Brasil, também adiou a precificação do IPO em um dia, para 18 de março, com o início das negociações previsto para dia 22.

Na estimativa inicial do tamanho da oferta, de 9,92 bilhões de reais, a operação da OSX poderia se converter na segunda maior da história no Brasil, atrás apenas da oferta gigante do Santander Brasil, de 14,1 bilhões de reais, realizada em outubro do ano passado.

Mas agora, com 3,31 bilhões, deverá ficar em sétimo no ranking dos maiores IPOs do país.

"BANQUEIROS COMETEM ERROS"

O Credit Suisse é o coordenador líder da operação. As unidades de investimento do Banco Bradesco, Itaú Unibanco, BTG Pactual e Morgan Stanley participam da gestão do negócio.

Com os mercados de capitais ainda se recuperando da pior crise desde 1930, os coordenadores do IPO pensaram que investidores estariam comprometidos com o negócio, não importando muito o preço, disse Jose Gonzales, executivo financeiro que ajudou a estruturar a venda de bônus da venezuelana PDVSA em 2007, a maior de uma empresa da América Latina até agora.

"Um fundo de pensão, um fundo de hedge caem fora e sua oferta pode despencar 30 por cento", afirmou Gonzales por telefone, de Bogotá. "Logo após a crise, com os mercados ainda sensíveis, banqueiros podem cometer erros."

No prospecto da oferta, a OSX disse que planeja usar 89 por cento dos recursos captados para construir plataformas e embarcações para a exploração e produção de petróleo. A maior demanda deve vir da OGX, petroleira também controlada por Eike.

Devido à queda no preço e no volume de ações em oferta, a OSX disse que haverá atrasos nos planos de investimentos.

Como resultado, Eike Batista concordou em comprar 1 bilhão de dólares em ações da OSX entre março de 2010 e 2013 para ajudar a financiar os negócios da empresa se a OSX não conseguir recursos adicionais nos mercados de capitais nesse período.

A OSX procura se beneficiar de um esperado aumento na demanda por plataformas de petróleo e outros itens da indústria por parte não somente da OGX, mas também da Petrobras, em meio aos planos de exploração dos novos recursos petrolíferos em águas profundas do Brasil.

O fato de o governo brasileiro exigir cerca de 70 por cento de conteúdo nacional nos equipamentos do setor também favorece estaleiros instalados no país.

A OSX não possui receita e apresentou prejuízo de 33,4 milhões de reais em 2009, contra perdas de 57,7 milhões de reais um ano antes. A empresa possui um navio, o OSX1 e terrenos no Sul do Brasil onde planeja construir um estaleiro.

A empresa possui uma dívida de 750 milhões de reais, a maior parte sendo financiamentos junto a Bradesco e HSBC para pagar pelo OSX1.

A OSX espera começar a construir o estaleiro no segundo semestre deste ano, com produção de embarcações no ano seguinte.

(Reportagem adicional de Guillermo Parra-Bernal)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.