Tamanho do texto

O presidente americano, Barack Obama, disse nesta segunda-feira querer empregar todos os meios legais para impedir a gigante do seguro, AIG, salva da falência pelo Estado, de pagar centenas de milhões de dólares em bônus a seus dirigentes.

Obama classificou nesta segunda-feira como "degradante" o fato de a seguradora AIG ter pago US$ 165 milhões em bônus a diretores da companhia. O presidente icumbiu o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, a explorar todas as formas legais para bloquear o pagamento.

Em declarações na Casa Branca por acasião da apresentação de um plano para ajudar as pequenas empresas, Obama afirmou que esses bônus, concedidos depois que AIG pediu ajuda ao governo para sobreviver, "ressalta a necessidade de uma reforma exaustiva no sistema regulador financeiro".

Edward Liddy, executivo-chefe da AIG, considerou o pagamento dos bônus "desagradável", mas disse que a seguradora é obrigada por contrato a fazê-los.

"Essa é uma corporação que se encontra em dificuldades financeiras devido à imprudência e à ganância", disse Obama. "Sob tais circunstâncias, é difícil entender como operadores de derivativos justificam qualquer tipo de bônus, e muito menos US$ 165 milhões em pagamentos extras. Como eles justificam esse escândalo para os contribuintes que estão mantendo a empresa viva?", questionou o presidente.

"Nos últimos seis meses, a AIG recebeu somas substanciais do Tesouro dos EUA", diz a declaração de Obama. "Pedi ao secretário Geithner para perseguir todos os modos legais para bloquear esses bônus", diz a declaração. "Não é apenas uma questão de dólares e centavos. É sobre nossos valores fundamentais", disse o presidente norte-americano. "Em todo o país há pessoas que trabalham duro e cumprem suas responsabilidades todos os dias, sem o benefício de pacotes de socorro do governo ou bônus multimilionários. E todas as pessoas querem que todos, na economia real, no mercado financeiro e em Washington, joguem sob as mesmas regras".

(Com informações da AFP, EFE e Agência Estado)

Leia mais sobre AIG

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.