Tamanho do texto

Declarações foram dadas pelo presidente americano durante visita oficial da chanceler alemã, Angela Merkel

selo

Líderes 'compartilham' opinião de que moratórias na Europa seriam 'desastre'
Reuters
Líderes 'compartilham' opinião de que moratórias na Europa seriam 'desastre'
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta terça-feira, ao receber a chanceler alemã, Angela Merkel, que não se pode permitir que a crise de dívida enfrentada por diversos países europeus ameace a recuperação da economia mundial.

“Eu apreciei muito as opiniões da chanceler sobre a situação financeira na Europa, a qual, nós concordamos, não se pode permitir que coloque a recuperação econômica global em risco”, disse Obama, em entrevista conjunta, após uma reunião privada com Merkel na Casa Branca.

A crise provocada por altos níveis de dívida pública e deficit em países europeus como Grécia, Irlanda e Portugal –obrigados a adotar medidas de austeridade e aceitar ajuda internacional – já foi citada por Obama como um dos problemas externos a afetar a recuperação econômica americana.

Nesta terça-feira, ao lado de Merkel, o presidente disse que o crescimento econômico dos Estados Unidos depende de uma resolução sensata desse problema.

“Acreditamos que seria desastroso para nós ver uma espiral descontrolada e moratória na Europa, porque isso poderia desencadear uma série de outros eventos. E eu acho que Angela compartilha da mesma opinião”, disse Obama.

Cooperação

Merkel chegou a Washington na noite de segunda-feira, para uma visita cercada de cerimônia, que inclui um jantar de Estado em sua homenagem na noite desta terça-feira.

A chanceler alemã também receberá de Obama a Medalha Presidencial da Liberdade, a principal condecoração civil americana.

Na entrevista concedida após reunião privada na Casa Branca, os dois líderes destacaram a parceria entre seus países.

Obama ressaltou o papel das tropas alemãs no Afeganistão, e Merkel destacou o papel dos Estados Unidos na unificação da Alemanha.

Os dois líderes também falaram de assuntos globais, como o processo de paz no Oriente Médio e a situação em países da região e do norte da África, que registram uma onda de manifestações pró-democracia.

Ambos voltaram a dizer que o líder líbio, Muamar Khadafi, deve deixar o poder.
“A chanceler e eu fomos claros: Khadafi deve renunciar e entregar o poder ao povo líbio, e a pressão só vai continuar a aumentar até que ele faça isso", disse Obama.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.