Tamanho do texto

SÃO PAULO - Os empresários do varejo que esperam aumento no faturamento nesta Páscoa, na comparação com igual período de 2009, somam 58%, revelou uma pesquisa da Serasa. Este percentual é o mais alto obtido desde que a pesquisa começou a ser realizada, em 2006.

Outros 32% acreditam na estabilidade do faturamento, enquanto 10% preveem queda.

Na avaliação dos economistas da Serasa, as expectativas para esta Páscoa revelaram confiança no ambiente econômico e na resposta do consumidor às promoções do varejo.

Vale lembrar que, na Páscoa do ano passado, apenas 28% dos empresários tinham expectativa de aumento no faturamento, enquanto 36% previam estabilidade e 36%, queda.

Entre os empresários que preveem alta no faturamento para esta Páscoa, o crescimento médio esperado é de 9,3%. Já entre os que esperam queda, a expectativa é de decréscimo de 8,7%. Considerando todos os empresários, o prognóstico é de um crescimento de 4,5%.

As grandes companhias são as mais otimistas para a data comemorativa, uma vez que 88% delas apostam em alta no faturamento, em relação à Páscoa de 2009. Entre as médias empresas, esse percentual é de 68%.

Já no caso das pequenas empresas, 55% esperam crescimento do faturamento, 34% preveem estabilidade e 11% têm expectativa de recuo. Para os analistas da Serasa, a pequena empresa apresenta um otimismo mais cauteloso, por conta da lenta normalização do crédito para o setor e da necessidade de recomposição de seus estoques.

A pesquisa ainda revelou que as vendas à vista nesta Páscoa serão divididas entre pagamentos em dinheiro (40%), cartão de crédito (23%), cheque (18%), cartão de débito (17%), cartão de loja (2%) e outros (boleto bancário e ticket), com 1%. Em relação à Páscoa 2009, ganharam espaço os pagamentos com cartões de crédito e de débito.

Na análise regional, os empresários do Sul são os mais otimistas no que diz respeito à elevação do faturamento na Páscoa, com 63% esperando alta. Depois aparecem Norte e Nordeste, com 61% cada, e, também empatados, o Centro-Oeste e o Sudeste, com 55%.

(Karin Sato | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.