Tamanho do texto

SÃO PAULO - O Morgan Stanley divulgou hoje uma drástica revisão de suas previsões para o Brasil em que estima retração de 4,5% neste ano, ante projeção anterior de crescimento zero. No ano passado o crescimento foi de 5,1%.

Para 2010, o banco projeta que a variação do PIB brasileiro também ficará negativa, em 0,5%.

Para Marcelo Carvalho, responsável pelas observações sobre o Brasil no relatório do banco a respeito da América Latina, além do desempenho ruim do Produto Interno Bruto (PIB) no último trimestre de 2008, há "sinais de fraqueza continuada neste primeiro trimestre".

A previsão de retração para a economia brasileira supera inclusive a média de 4,3% de queda prevista para o PIB da região da América Latina, antes estimada em -0,5%. Os números ficaram negativos também para os países vizinhos. Pelos cálculos do Morgan Stanley, a economia brasileira sofrerá neste ano quase tanto quanto a da Argentina, cuja estimativa para o PIB é de queda de 4,7%, e do México, onde a economia deve retroceder 5% segundo as novas previsões.

Venezuela também registrará crescimento negativo de 4%, situação pior do que a estimada para Chile, onde o PIB deve cair 1,4% e Colômbia (-1,6%). Dentre os analisados, o único país com perspectiva positiva é o Peru, onde o banco espera crescimento de 0,7%.

Dentre as previsões do banco para outros indicadores, está uma baixa total de 5,5 pontos percentuais na taxa Selic, que fecharia o ano em 8,25%. A inflação medida pelo IPCA teria alta de 3% neste ano, a balança de transações correntes ficaria negativa em 0,2% do PIB e a balança comercial registraria superávit de US$ 23,2 bilhões. A previsão para o dólar é de R$ 2,80 ao fim deste ano e as reservas internacionais deve recuar para US$ 190 bilhões. A balança do setor público em relação ao PIB fecharia 2009 com variação negativa de 5%
(Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.