Tamanho do texto

A Moodys anunciou que está estudando uma revisão dos ratings para a dívida soberana dos Estados Unidos e do Reino Unidos, caso esses países não adotem rapidamente medidas para pôr em ordem as suas finanças públicas. Em relatório divulgado ontem, a agência diz que os Estados Unidos e o Reino Unido têm um rating triplo A forte, ao passo que outros países em semelhante situação têm AAA resistente.

Com uma possível revisão, os dois países passariam a ter triplo A "resistente", seguindo-se o triplo A "vulnerável". Por outro lado, a Moodys disse que tanto os Estados Unidos quanto o Reino Unido têm "capacidade de reação adequada" para encarar os desafios.

O informe da Moodys foi divulgado um dia antes de o ministro da Fazenda britânico, Alistair Darling, anunciar as últimas estatísticas sobre a dívida do país. Darling admitiu que seus últimos prognósticos foram muito otimistas e que a recessão tem sido maior e mais profunda do que se pensava.

Os analistas acreditam que o Reino Unido terminará o ano fiscal 2009/2010 endividado em £ 190 bilhões (US$ 310 bilhões), o equivalente a 13% do Produto Interno Bruto (PIB), o que obrigará o país a anunciar uma estratégia para reorganizar as finanças públicas a médio prazo.

Já o déficit orçamentário dos Estados Unidos no ano fiscal de 2009, encerrado em 30 de setembro, chegou ao recorde de US$ 1,42 bilhão, rondando os 10% do PIB. Apesar do alto valor, a Casa Branca havia calculado em agosto um déficit levemente maior.

Embora a Moodys não veja ameaça imediata aos 17 países que atualmente têm a nota "Aaa" (o segundo nível da classificação), a agência acredita que eles também vão enfrentar uma batalha para administrar o peso da dívida assumido por causa da crise.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.