Tamanho do texto

Paris, 12 fev (EFE).- O milho geneticamente modificado produzido pela firma americana Monsanto, cujo cultivo está suspenso na França há um ano, não é perigoso para a saúde, afirma um relatório da Agência Francesa de Segurança Sanitária dos Alimentos (AFSSA) publicado hoje pelo jornal Le Figaro.

O relatório contradiz outro no qual o Governo da França se apoiou para proibir os cultivos da Monsanto.

"A AFSSA considera que os elementos do relatório Le Maho (...) não fornecem nenhum elemento que ponha em dúvida a segurança sanitária" do milho transgênico MON 810, produzido pela Monsanto, diz o texto do relatório, que era "mantido em segredo" já que data de 23 de janeiro, afirma o jornal.

Há um ano, França, representada por seu ministro de Ecologia, Jean-Louis Borloo, proibiu o cultivo desse tipo de milho.

Agora, o próprio Borloo deve explicar a posição do Governo francês Comissão Europeia, 16 de fevereiro em Bruxelas, pois a Agência Europeia de Segurança dos Alimentos (EFSA) já apresentara outro relatório classificando o milho da Monsanto como "saudável para a saúde humana e animal e sem perigo para o meio ambiente". EFE jaf/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.