Tamanho do texto

Pris?o do diretor do FMI, acusado de abuso sexual, derrubou o euro para o menor patamar em sete semanas e pressiona bolsas

Diretor do FMI, Dominique Strauss-Kahn, foi detido no domingo (15) e levado a policia em Nova York
AFP
Diretor do FMI, Dominique Strauss-Kahn, foi detido no domingo (15) e levado a policia em Nova York
A prisão do diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, por abuso sexual ampliou as incertezas sobre a crise de dívida da zona do euro, derrubando o euro para o menor valor em sete semanas e pressionando as bolsas de valores nesta segunda-feira.

Embora haja pouco indício de que as atividades gerais do FMI serão prejudicadas, a prisão de Strauss-Kahn aconteceu quase na véspera de uma série de novas negociações sobre como lidar com a crise do bloco monetário europeu.

Strauss-Kahn – que também era um potencial candidato presidencial francês – deveria reunir-se com a chanceler alemã, Angela Merkel, no domingo, e juntar-se ao encontro de ministros das Finanças da zona do euro nesta segunda-feira para discutir os problemas europeus.

O euro chegou a US$ 1,4048, menor nível desde 30 de março, registrando queda de 6% desde o pico em 17 meses alcançado há duas semanas.

A acusação de Strauss-Kahn também aumentava o humor geral de aversão a risco, pressionando o mercado de ações.

As bolsas de valores da Europa atingiram o menor patamar em mais de uma semana, de olho na reunião de ministros da zona do euro.