Tamanho do texto

Débitos não autorizados trazem mais dor de cabeça a correntistas, com 251 registros

As reclamações contra bancos cresceram 47,4% em maio, na comparação com abril, segundo números do Banco Central (BC). No mês passado, o BC registrou 1.172 manifestações, ante 795 em abril. Na comparação com igual mês do ano passado, o aumento é de 25,61%.

Segundo o ranking do BC, débitos não autorizados continuam sendo o indicador que mais traz dor de cabeça para os correntistas. No mês passado, esse item respondeu por 251 registros, ante 140 em abril e 139 em maio do ano passado. A instituição mais reclamada este ano, nos dois meses, passou a ser o Santander, com 103 reclamações procedentes em maio e 36 em abril. O segundo colocado de maio é o Banco do Brasil, com 53 registros, seguido pelo Itaú, com 39. Em maio do ano passado, o Banco do Brasil era o líder, com 73 registros.

Depois dos débitos não autorizados, a cobrança irregular de tarifas e de serviços não contratados vem em segundo lugar, tanto em abril quanto em maio deste ano (166 e 89 registros, respectivamente). Em maio do ano passado, a segunda colocação ficou com saques e depósitos divergentes.

Na lista por bancos com mais de um milhão de clientes, o Santander também lidera as reclamações gerais, com 247 ocorrências procedentes. É seguido por BB (262) e por Itaú (153). Em maio de 2010, BB liderava, com 337 reclamações procedentes.

O levantamento do BC também traz as reclamações sobre administradoras de consórcios. Foram registradas 91 reclamações, ante 103 em abril e 51 no mesmo mês do ano anterior. Liberação de crédito liderou os protestos, com 33 ocorrências, seguida por atendimento inadequado (32) e cobranças irregulares (seis). A instituição mais reclamada foi a Caixa Consórcios, com 27 registros, seguida pela Fiat Administradora (dois) e pela Santander Brasil (dois).

Veja também:

Bancos e varejo assumem metas para reduzir reclamações no Procon

Cobrança indevida lidera queixas contra bancos

Cliente tem saldo zerado na fusão Santander Real

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.