Tamanho do texto

Empresas continuam alongando prazo de suas dívidas e, em alguns casos, obtendo financiamento antecipado para compras, diz gerente

selo

O mercado internacional de dívida segue aquecido e dominado por emissões de títulos de instituições financeiras. "As empresas continuam alongando o prazo de suas dívidas e, em alguns casos, obtendo um financiamento antecipado para aquisições", disse Scott Kimball, gerente de carteiras de investimento da Taplin, Canida & Habacht.

"O mercado, no entanto, não está ignorando o risco de crédito. Está olhando para emissores específicos", acrescentou. Em Londres, o Royal Bank of Scotland vendeu 1 bilhão de libras em bônus cobertos com vencimento em 2024 por 99,319% do valor de face. Os papéis, que carregam cupom (juro nominal) de 5,125% e receberam nota Aaa da Moody's, foram colocados com um spread de 275 pontos-base sobre os Gilts - títulos da dívida do Reino Unido.

Ainda no setor financeiro, o Nordea Bank - que também possui rating triplo A pela Moody's - vendeu € 2,25 bilhões em bônus cobertos para 2017 por 99,646% do valor de face com um spread de 65 pontos-base sobre os midswaps - a referência para os juros em euro. O Svenska Handelsbanken, da Suécia, também colocou € 1 bilhão em títulos com vencimento em 2017 no mercado por 99,792% do valor de face e com um prêmio de 163 pontos-base sobre os midswaps.

Os papéis carregam cupom de 3,375%, juro maior que o de 2,375% oferecido pelos papéis do Nordea, porque os títulos do Svenska possuem uma classificação de crédito menor - Aa2 pela Moody's e AA- pela Standard & Poor's e pela Fitch. O banco Nederlandse Waterschapsbank (NWB) vendeu € 1 bilhão em títulos de cinco anos com cupom de 2,25% por 99,654% do valor de face e com um spread de 62 pontos-base sobre os midswaps.

A emissão recebeu nota máxima da Moody's e da Standard & Poor's. O ABN Amro captou 250 milhões de libras por meio e uma emissão de títulos com vencimento em sete anos. Os papéis, que carregam cupom de 4,875%, foram vendidos por 99,789% do valor de face com um spread de 345 pontos-base sobre os Gilts e receberam notas Aa3 da Moody's e A+ da S&P e da Fitch.

Outro banco que vendeu títulos nesta terça-feira foi o Barclays Capital, que colocou no mercado € 1,5 bilhão em títulos de dois anos com prêmio de 163 pontos-base sobre a Euribor de três meses. No setor automotivo, a Volkswagen, por meio de seu braço financeiro, vendeu € 2,25 bilhões numa emissão dividida em duas partes.

A primeira, de € 1,5 bilhão em títulos de três anos, foi vendida por 99,656% do valor de face e carregou um spread de 90 pontos-base sobre os midswaps. A segunda tranche, de € 750 milhões em títulos de sete anos, foi vendida por 99,384% do valor nominal e carregou um prêmio de 130 pontos-base sobre os midswaps.

Ainda entre as emissões corporativas, a Vivendi vendeu € 1,25 bilhão em títulos com vencimento em 2017 por 99,405% do valor de face, garantindo aos investidores um retorno (yield) de 4,253%. O cupom dos papéis é de 4,125%. Na França, o Carrefour € 500 milhões na reabertura de uma emissão de títulos para 2016. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.