Tamanho do texto

Barril foi afetado pelo temor de que furacão "Irene" afete refinarias quando chegar à costa leste dos Estados Unidos

O Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou nesta sexta-feira praticamente estável, com leve alta de 0,08% aos US$ 85,37 por barril, dividido entre o temor de que o furacão "Irene" afete as refinarias quando chegar à costa leste dos Estados Unidos, e a revisão em baixa do crescimento econômico desse país no segundo trimestre do ano.

No final da última sessão da semana na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de futuros do WTI para entrega em outubro - os de mais próximo vencimento - tinham aumentado US$ 0,07 em relação ao fechamento anterior.

O WTI registrou essa ligeira alta em um dia marcado pelo medo de que o "Irene" provoque danos nas refinarias da costa leste dos Estados Unidos, onde se espera que o furacão toque terra no sábado com ventos sustentados de até 160 km/h.

Os analistas acreditam que a provisão está garantida pelas refinarias do Golfo do México e da costa oeste, mas advertiram que a demanda pode se reduzir significativamente se milhões de pessoas tiverem que ficar em suas casas durante vários dias para se proteger do temporal.

Esses fatores pressionaram em alta o preço do petróleo, mas a alta foi contrabalanceada pela notícia de que a economia dos Estados Unidos cresceu a um ritmo anual de 1% no segundo trimestre do ano, segundo informou o Departamento de Comércio, que revisou para baixo seu primeiro cálculo de um crescimento de 1,3%.

Assim, o WTI acumulou uma valorização de US$ 3,11 dólares ou 3,77% durante esta semana, protagonizada pela incerteza sobre a resolução do conflito em uma nação produtora de petróleo como a Líbia, assim como o andamento da economia americana.

Os contratos de gasolina com vencimento em setembro caíram US$ 0,03 e fecharam em US$ 2,93 por galão (3,78 litros), enquanto durante a semana acumularam alta de 3,17%.

Os de gasóleo de calefação também para entrega esse mês subiram US$ 0,02 e fecharam a US$ 3,01 por galão. Os contratos de gás natural com vencimento em setembro não registraram mudanças e voltaram a fechar a US$ 3,93 por cada mil pés cúbicos da quinta-feira.