Tamanho do texto

Preocupações quanto à economia ganharam novo fôlego com o informe de que o PIB da zona do euro sofreu uma contração

selo

Os preços do petróleo tiveram uma queda forte, refletindo preocupações de uma desaceleração na demanda global pelo produto. Um dia depois de o governo da China rebaixar sua meta de crescimento econômico para o ano, as preocupações quanto à economia ganharam novo fôlego com o informe de que o PIB da zona do euro sofreu uma contração de 0,3% no quarto trimestre de 2011.

Ao mesmo tempo, o Irã anunciou que vai permitir que os inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) visitem a base militar de Parchin, onde a entidade (que já inspecionou o local em 2005) diz que os militares iranianos teriam conduzido explosões que poderiam ser testes de material para detonadores de armas nucleares. Além disso, EUA, Alemanha, França, Rússia, China e Reino Unido disseram-se prontos a retomar conversações com o Irã.

Nos EUA, o relatório mensal do Departamento de Energia (DoE) sobre as perspectivas de curto prazo para o mercado rebaixou suas projeções de demanda de petróleo em 2012 e 2013. Segundo o DoE, a demanda norte-americana deverá cair neste ano para 18,77 milhões de barris por dia, nível mais baixo em 15 anos. As projeções para o crescimento da demanda da China, segundo maior consumidor mundial, foram rebaixadas para 4,5% neste ano e 4,6% em 2013; as previsões anteriores eram de 5,4% e 6,3%, respectivamente.

Segundo o analista Gene McGillian, da Tradition Energy, "com a incerteza econômica, os mercados recuaram das máximas dos últimos nove meses, que vimos recentemente".

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos de petróleo bruto para abril fecharam a US$ 104,70 por barril, em queda de US$ 2,02 (1,89%); na Intercontinental Exchange (ICE), os contratos do petróleo Brent para abril fecharam a US$ 121,98 por barril, em queda de US$ 1,82 (1,47%). As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.