Tamanho do texto

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta, após duas sessões de queda, depois que os dados mostraram que as importações do produto pela China atingiram níveis recordes

selo

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta, após duas sessões de queda, depois que os dados mostraram que as importações do produto pela China atingiram níveis recordes. A contínua desvalorização do dólar também favoreceu o desempenho positivo do petróleo.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), o petróleo para novembro fechou em alta de US$ 1,34, ou 1,64%, a US$ 83,01 o barril. Na plataforma eletrônica ICE, o Brent para novembro fechou em alta de US$ 1,09, ou 1,37%, a US$ 84,64 o barril.

A China importou 5,67 milhões de barris de petróleo em setembro, o maior volume mensal da história e um aumento de 35% na comparação ano a ano, com o crescimento da demanda e da atividade doméstica de refino. Além disso, a Agência Internacional de Energia revisou em alta sua previsão para a demanda global por petróleo em 2010 e 2011 após um terceiro trimestre mais forte do que o esperado, embora tenha reduzido as expectativas para o aumento dos preços no próximo ano.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), por sua vez, deve decidir por manter a produção estável quando se reunir amanhã em Viena. Wilson Pastor, ministro do Petróleo do Equador e atual presidente da Opep, disse que "há um consenso entre os membros" para não alterar o limite de produção.

O petróleo também foi ajudado pela queda do dólar, que prosseguiu depois que a ata do Fed, divulgada ontem, impulsionou as expectativas de que o banco central norte-americano vai agir para estimular a economia, mantendo os juros baixos por mais tempo do que o esperado. O dólar fraco torna o petróleo mais barato para compradores com outras moedas. O recente declínio do dólar desencadeou um rali que levou o petróleo a superar US$ 84 na semana passada.

Na França, pelo meses 11 das 12 refinarias são afetadas pela greve nos portos de Fos e Lavéra, o terceiro maior terminal petroleiro do mundo. A petroleira Total SA disse que a greve a forçou a fechar todas as suas refinarias francesas. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.