Tamanho do texto

Barril é negociado no menor preço das últimas cinco semanas; demanda pela commodity permanece frágil

selo

Os preços do petróleo caíram para o menor nível em cinco semanas após o Departamento de Energia (DOE, na sigla em inglês) dos EUA divulgar que os estoques subiram 950 mil barris na semana encerrada em 29 de julho, o que sugere que a demanda pela commodity permanece frágil.

Embora a alta nos estoques tenha ficado bem próxima do previsto pelos analistas (elevação de 1,1 milhão de barris), o dado se junta a uma série de indicadores divulgados nos últimos dias que mostram uma desaceleração na economia dos EUA, que são os maiores consumidores mundiais de petróleo.

Às 12h35 (de Brasília), o contrato de petróleo para setembro negociado na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) registrava queda de 1,58%, a US$ 92,31 o barril, após atingir a mínima verificada no dia de US$ 91,75, o menor nível desde 28 de junho. Na plataforma ICE, o petróleo do tipo Brent perdia 2,04%, a US$ 114,08 o barril.

Os estoques de gasolina subiram 1,7 milhão de barris na semana e os de destilados (incluindo diesel e óleo para calefação) aumentaram 400 mil barris. Um dado positivo foi a taxa de utilização da capacidade das refinais, que aumentou um ponto porcentual, para 89,3%.

O petróleo na Nymex fechou em queda nas últimas quatro sessões, mas a retração não se mostra tão grande no Brent. O petróleo negociado na ICE tem recebido certo suporte de problemas de manutenção em oleodutos e campos de produção no Mar do Norte. Ontem, o petróleo na Nymex fechou com uma diferença recorde para o Brent, de US$ 22,67 por barril. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas