Tamanho do texto

Com aversão ao risco em alta, "ninguém quer entrar no fim de semana com posições compradas", diz especialista

selo

Os preços do petróleo voltaram a cair e os contratos futuros de julho negociados na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) fecharam no nível mais baixo desde 18 de fevereiro deste ano. O comportamento do mercado continua a refletir as preocupações quanto à crise da dívida pública da Grécia e à fragilidade da recuperação econômica nos EUA.

"O mercado está preocupado. Ninguém quer entrar no fim de semana com posições compradas. Quem sabe o que pode acontecer?", disse Zachary Oxman, da TrendMax Futures. Os ministros das Finanças dos países da zona do euro vão se reunir no fim de semana para discutir o novo pacote de ajuda financeira para a Grécia. Segundo o corretor Gene McGillian, da Tradition Energy, o mercado teme que um possível default da Grécia leve a economia global de volta para a recessão.

Ao longo da semana, o preço do barril de petróleo negociado na Nymex teve uma queda de US$ 6,28. "Anulamos metade do rali da primavera, e o mercado pode estar pronto para uma queda até os US$ 85 por barril", disse McGillian, referindo-se ao nível de preços de meados de fevereiro, antes da onda de protestos que levaria à queda do regime de Hosni Mubarak no Egito e do início da guerra civil na Líbia.

Nesta sexta-feira, um dos fatores para o nervosismo do mercado foi a advertência do FMI de que a crise da dívida europeia e o desempenho fraco da economia dos EUA apresentam uma ameaça maior do que se pensava para a recuperação da economia global. O FMI rebaixou sua projeção para o crescimento da economia mundial em 2011 para 4,3%; a previsão para o crescimento do PIB dos EUA foi rebaixada em 0,3 ponto porcentual, para 2,5%.

Essa projeção está abaixo da previsão de crescimento de 2,7% divulgada no começo do mês pelo Departamento de Energia dos EUA (DOE); ela serviu de base para a precisão de que a demanda por petróleo nos EUA deverá crescer 0,8% neste ano, para a média de 19,3 milhões de barris por dia.

"Há muita preocupação com destruição de demanda. A demanda não suporta preços nos níveis atuais. Eu acho que veremos os preços do petróleo bruto caírem abaixo dos US$ 90 por barril na próxima semana", disse Oxman.

Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para julho fecharam a US$ 93,01 por barril, em queda de US$ 1,94 (-2,04%). Na Intercontinental Exchange (ICE), os contratos do petróleo Brent para agosto fecharam a US$ 113,21 por barril, em queda de US$ 0,81 (0,71%). As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.