Tamanho do texto

Os contratos futuros de petróleo fecharam abaixo de US$ 80 o barril, após a surpreendente decisão da China de elevar a taxa de juros, o que impulsionou o dólar e espalhou receios de que a demanda por matérias-primas possa desacelerar

selo

Os contratos futuros de petróleo fecharam abaixo de US$ 80 o barril, após a surpreendente decisão da China de elevar a taxa de juros, o que impulsionou o dólar e espalhou receios de que a demanda por matérias-primas possa desacelerar.

Os contratos de petróleo com entrega para novembro fecharam com perda de US$ 3,59 (4,32%), a US$ 79,49 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). O contrato expira amanhã e a negociação se concentrou no contrato de dezembro, que caiu US$ 3,52 (4,20%), para US$ 80,28. Na plataforma ICE, o petróleo do tipo Brent com entrega para dezembro recuou US$ 3,27 (2,84%), fechando a US$ 81,10 o barril.

O Banco do Povo da China (PBOC, na sigla em inglês) elevou as taxas de depósito e de empréstimo em 0,25 ponto porcentual cada, pela primeira vez desde dezembro de 2007, em uma medida que visa desacelerar o rápido crescimento do país.

A China é o segundo maior consumidor de petróleo do mundo, atrás apenas dos EUA, e tem sido um destino importante para a oferta da commodity, em meio a uma desaceleração econômica em outros países. Isso mantinha os investidores relativamente otimistas sobre a demanda global por petróleo, apesar do aumento dos estoques nos EUA. Mas a decisão do governo de desacelerar o crescimento foi vista como um sinal de que as importações de petróleo do país, que atingiram máximas recordes em setembro, podem diminuir.

"Todos estavam vendo a China como o grande motor da demanda, e qualquer rachadura nessa imagem é um pouco inquietante para o mercado", disse Peter Donovan, vice-presidente e trader de petróleo da Vantage Trading. "Os traders foram realmente pegos de surpresa".

O petróleo permanecia acima de US$ 80 o barril em outubro, impulsionado pela queda do dólar e com investidores temendo que governos de diversos países desvalorizassem suas moedas para estimular o crescimento interno. Com isso, participantes do mercado se dirigiram para commodities e outros ativos tangíveis, como ouro, que atingiu máximas recordes recentemente.

Mas a decisão da China de elevar os juros fez com que o dólar subisse fortemente hoje, o que pressionou os futuros do petróleo. "Quando o dólar sobe, o petróleo cai", disse Stephen Schork, diretor do Schork Report, uma empresa de pesquisa sobre petróleo.

Sem o suporte do dólar, investidores compararam os altos estoques de petróleo com o potencial de demanda. Os estoques de petróleo bruto e combustíveis nos EUA subiram para as máximas de 27 anos no mês passado e, embora alguns analistas digam que eles podem ter atingido um pico, o relatório semanal do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) que será divulgado amanhã deve mostrar uma nova alta.

O DoE deve mostrar que os estoques de petróleo bruto dos EUA tiveram uma alta de 2 milhões de barris, segundo uma pesquisa da Dow Jones com analistas. Os estoques de gasolina devem ter queda de 1,3 milhão de barris, enquanto os estoques de destilados, categoria que inclui diesel e óleo para aquecimento, devem ter uma redução de 600 mil barris. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.