Tamanho do texto

Levantamento da Anbima mostra que quase 80% dos recursos estão em fundos de investimento e em ativos de renda fixa

O Brasil encerrou 2011 com mais de 50 mil clientes no segmento de private banking - cujas aplicações superam R$ 1 milhão -, e com um volume total de R$ 434,4 bilhões em ativos sob gestão, de acordo com levantamento da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima) divulgado nesta sexta-feira.

O crescimento da indústria foi de 21,6% no ano passado, contra 22,9% em 2010. Já o número de clientes registrou avanço de 5,7% em 2011, bem mais lento que no ano anterior, quando o crescimento foi de 12,2%. Com isso, o volume médio de recursos por cliente subiu de R$ 7,5 milhões para R$ 8,6 milhões.

Leia : Gestora de recursos do Banco do Brasil quer conquistar classe A

Segundo a Anbima, os fundos de investimentos foram o principal destino das aplicações dos milionários, com 43% dos recursos totais. Em seguida, vêm os ativos de renda fixa, categoria que registrou maior crescimento, passando de 32,5% para 37,5%, essencialmente concentrado em títulos privados. Já os ativos de renda variável perderam a preferência dos investidores, caindo de 19,1% para 14,5%. Apesar disso, o maior volume de recursos dos investidores está alocado na categoria multimercados, que cresceu 26,8% em 2011.

Veja :

O governo Dilma e a Nova Classe Rica

Calcule como chegar a R$ 1 milhão

O levantamento mostra ainda que o volume de ativos sob gestão cresceu de forma mais acelerada no primeiro semestre, "em função da maior aversão ao risco observada na segunda metade do ano." A maior parte deles se encontra em São Paulo (57,5%), enquanto Rio de Janeiro agrupa 17,1% e a região Sul vem em terceiro, com 11,9%.

Revisão

No estudo, a Anbima informou que revisou sua base de dados desde 2009. Entre as principais mudanças está a diminuição do volume de ativos sob gestão em 2009, que caiu de R$ 301 bilhões para R$ 290 bilhões, e 2010, que registrou queda de R$ 371 bilhões para R$ 357 bilhões. O número de clientes também foi revisado para baixo nesses dois anos, com destaque para a redução de 63 mil para 47 mil em 2010. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.