Tamanho do texto

Para a inflação, expectativa caiu para 5,32%, na quinta queda consecutiva

selo

A previsão para o crescimento da economia brasileira em 2012 voltou a cair. Pesquisa semanal realizada pelo Banco Central junto aos analistas de mercado, a Focus, mostra que a expectativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 3,40% para 3,30%. Há um mês, o mercado previa expansão mais forte da economia, de 3,48% neste ano.

Para o ano passado - dado que será conhecido apenas em algumas semanas - os números também caíram novamente. De acordo com o levantamento, a mediana das expectativas para a expansão do PIB em 2011 recuou de 2,90% para 2,87%, ante os 3,09% registrados quatro semanas antes.

Veja também: FMI confirma Brasil como o 6º maior PIB do mundo em 2011
Desaceleração da indústria faz PIB do terceiro trimestre ficar estável

Em linha com a economia mais fraca, as projeções para o desempenho do setor industrial também pioraram. Para 2011, a expectativa de expansão do segmento caiu de 0,82% para 0,78%. Há um mês, o mercado apostava em avanço industrial de 0,94% no ano passado. Para 2012, os números não foram alterados e analistas mantiveram a previsão de crescimento de 3,43%, ante 3,46% de um mês atrás.

Na pesquisa, a expectativa para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o tamanho da economia em 2011 manteve-se em 38,50% do PIB pela quarta semana consecutiva. Mas para 2012 a previsão recuou de 37,50% para 37,35%, ante 38% de um mês atrás.

Inflação

As projeções para a inflação apresentaram trajetórias opostas na pesquisa Focus, com queda das previsões para 2012 e elevação para 2011 (o número do ano passado será conhecido na sexta-feira).

De acordo com as estimativas feitas semanalmente pelo mercado financeiro, a mediana das expectativas para a inflação medida pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPCA) em 2012 caiu de 5,33% para 5,32%, no quinto recuo consecutivo. Há um mês, o número estava em 5,49%.

Para o número fechado de 2011, porém, economistas voltaram a elevar as previsões e a expectativa para o índice subiu de 6,54% para 6,55%, na terceira elevação seguida. Com a alta, o número se distancia ainda mais do permitido pelo regime de metas de inflação, que tem como centro 4,50% e margem máxima de 6,50%.

Por mês, a expectativa para dezembro de 2011 - número que também será conhecido na sexta-feira - manteve-se em 0,54%. Já a previsão de aumento do IPCA no primeiro mês de 2012 seguiu em 0,59%.

No grupo dos analistas que mais acertam na pesquisa do BC, o chamado "Top 5" a previsão para o IPCA em 2012 no cenário de médio prazo manteve-se em 5,27%. Para 2011, o grupo subiu a aposta para inflação, o que também afastou o número previsto do teto meta e a mediana das expectativas avançou de 6,52% para 6,54%. Há um mês, esses analistas trabalhavam com inflação de 5,27% em 2012 e 6,51% em 2011.

Para os próximos 12 meses, a previsão suavizada para o IPCA não teve alteração e seguiu em 5,33%. Há um mês, a expectativa do mercado estava em 5,47%.

Leia mais:

Inflação medida pelo IPC-S avança 6,36% em 2011

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.