Tamanho do texto

Para maior gestora global de fundos, treasuries vão manter seu papel de proteção tradicional contra ativos de risco

A BlackRock, maior gestora global de fundos, acredita que, apesar do rebaixamento dos Estados Unidos pela Standard and Poor’s , “a vasta maioria” dos investidores vai continuar a utilizar a curva de risco dos títulos norte-americanos (treasuries) como um padrão do mercado para julgar a qualidade do crédito global. Em relatório, a gestora diz ser importante lembrar que o Tesouro dos Estados Unidos permanece como o maior e mais líquido mercado de renda fixa do mundo, com um alto nível de transparência e poucas opções genuínas.

“Os treasuries também vão continuar a ver uma oferta forte de investidores institucionais de todos os tipos (incluindo bancos) e continuarão a ter seu papel tradicional de proteção para ativos de risco”, diz o BlackRock. “Embora possa chegar um momento no qual o status livre de risco desses títulos diminua por erros políticos continuados, não acreditamos que o rebaixamento da S&P sinalize que esse momento chegou.”

Segundo a BlackRock, enfrentar os desafios fiscais dos Estados Unidos é um empreendimento de longo prazo. “Esses desafios não podem ser superados através de correções de curto prazo, mas exigirão esforços que se estenderão por muitos anos. A economia dos EUA tem sido historicamente a mais resiliente do mundo, mas o futuro depende da união dos políticos para tomar as difíceis decisões necessárias para deter o crescimento do déficit público." Há tempo para enfrentar esses desafios, mas se os políticos não tiverem sucesso, este downgrade do fim de semana de crédito será um sinal de uma deterioração fiscal contínua, acredita a gestora.

A BlackRock diz que o rebaixamento reflete fatos conhecidos do mercado há algum tempo. Por isso, não implica em aumento fundamental do risco. Entretanto, se combinado com uma fraqueza econômica continuada e incertezas regulatórias, pode dar o sinal para que alguns investidores revejam seu apetite por risco.

A BlackRock afirma que o rebaixamento dos Estados Unidos é apenas um entre a miríade de preocupações que os investidores enfrentam atualmente. “Grande parte do mundo desenvolvido enfrenta altos níveis de endividamento, desaceleração do crescimento econômico e potencial significativo de erros de política. Juntos, esses elementos têm aumentado dramaticamente a volatilidade do mercado e reduzido sua liquidez.

Veja mais:

Ibovespa despenca 5,1% e vai a 50 mil pontos, após EUA