Tamanho do texto

Banco quer economizar 1,5 bilhão de libras por ano com redução de pessoal e simplificação de operações

O Lloyds Banking Group anunciou hoje que vai eliminar 15 mil dos 106 mil postos de trabalho atuais até 2014. Além dos cortes, o novo plano para sanear as contas do banco traz ainda a simplificação de suas operações e concentração em quatro unidades principais no Reino Unido. 

Em comunicado, o presidente da instituição, Antonio Horta-Osorio, informou que o objetivo é economizar 1,5 bilhão de libras (US$ 2,4 bilhões ou R$ 3,8 bilhões) anuais em 2014. O programa de reestruturação vai custar ao Lloyds um total de 2,3 bilhões de libras (US$ 3,6 bilhões).

Além dos cortes, o banco, do qual o governo britânico detém mais de 40%, pretende fechar algumas operações globais, reduzindo o atendimento dos atuais 30 países em que está presente para menos da metade também até 2014.

De acordo com o comunicado divulgado hoje, o Lloyds Banking Group ainda deve reduzir custos apostando na centralização de funções de apoio, na maior utilização de tecnologia e na redução de níveis administrativos.

A instituição estima que essas medidas poderão resultar na ampliação de investimentos em 2 bilhões de libras (US$ 3,2 bilhões) entre 2011 e 2014, que serão utilizados para expandir suas operações principais, que incluem os bancos de varejo Lloyds TSB, Halifax e Bank of Scotland e a seguradora Scottish Widows.

Segundo o grupo financeiro, os negócios principais devem crescer a um ritmo superior ao de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido até 2014.

O Lloyds Banking Group é resultado da fusão do Lloyds TSB com o Halifax-Bank of Scotland (HBOS) no início de 2009. Na ocasião, o Lloyds TSB operava em boa situação, enquanto o HBOS tinha sido afetado pelos ativos "podres".

No primeiro trimestre deste ano, o banco britânico teve um prejuízo líquido de 2,43 bilhões de libras (US$ 4 bilhões) em consequência sobretudo dos pagamentos de compensações a clientes que tiveram problemas com os seguros de empréstimos hipotecários.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.