Tamanho do texto

SÃO PAULO - Os contratos de juros deram continuidade ao movimento de recomposição de prêmios de risco iniciado na tarde de ontem e fecharam a quinta-feira com firme alta na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

SÃO PAULO - Os contratos de juros deram continuidade ao movimento de recomposição de prêmios de risco iniciado na tarde de ontem e fecharam a quinta-feira com firme alta na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Como disse o gestor da Vetorial Asset, Sérgio Machado, é uma correção natural, afinal de contas as taxas vinham em um movimento praticamente contínuo de baixa desde o começo do mês. "Era um mercado que só caía, tinha que respirar em algum momento", explica. Mesmo com a puxada de alta, o formato da curva futura continua mostrando chance de redução de juros em 2011, embora com probabilidade menor de corte no curtíssimo prazo. Esse "respiro" também se observa nas taxas americanas. Depois de testar mínimas históricas, o juro do papel de 10 anos do Tesouro americano subia 0,2 ponto, para 2,37%. A dívida de 30 anos tinha retorno de 3,78%, depois de fechar em 3,52% ontem. O mesmo raciocínio pode ser aplicado às bolsas de valores, que têm um dia de firme ajuste de alta, depois das derrocadas recentes. Em Wall Street, o Dow Jones ganhava 4,52%, e na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), o Ibovespa subia 4,44%. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), antes do ajuste final de posições, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em setembro de 2011 apontava estabilidade a 12,39%. Outubro de 2011 apontava alta de 0,01 ponto percentual, a 12,36%. Novembro de 2011 marcava 12,31%, sem alteração. E janeiro de 2012, o mais líquido do dia, projetava 12,29%, alta de 0,01 ponto. Entre os contratos mais longos, janeiro de 2013 apontava alta de 0,08 ponto, a 11,95%. Vale lembrar que esse contrato abriu o mês em 12,70%. Janeiro de 2014 registrava valorização de 0,11 ponto, a 12,04%. Janeiro de 2015 tinha aumento de 0,12 ponto, a 12,15%. Janeiro de 2016 subia 0,09 ponto, a 12,13%. E janeiro de 2017 projetava 12,16%, ganho de 0,12 ponto. Até as 16h10, foram negociados 1.437.501 contratos, equivalentes a R$ 125,02 bilhões (US$ 76,67 bilhões), queda de 11% sobre o registrado ontem. O vencimento janeiro de 2012 foi o mais negociado, com 487.160 contratos, equivalentes a R$ 46,57 bilhões (US$ 28,56 bilhões). Na gestão da dívida pública, o Tesouro vendeu 2,7 milhões de Letras do Tesouro Nacional (LTN) a R$ 1,97 bilhão. Foram ofertados 4,5 milhões de títulos. A oferta de Notas do Tesouro Nacional Série F (NTN-F) foi ainda menor e apenas 50 mil papéis dos 650 mil ofertados foram negociados. (Eduardo Campos | Valor)

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.