Tamanho do texto

Índice renovou máxima em seis meses. No ano, alta já é de 9,1%

O rali de janeiro na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) parece não ter hora para acabar. O Ibovespa fechou novamente em alta nesta quinta-feira, pelo terceiro pregão seguido, renovando a máxima em seis meses. Fechou com ganho de 0,33%, em 61.926 pontos. É o nível mais alto ainda desde 7 de julho de 2011, quando encerrou em 62.207 pontos. No ano, o Ibovespa sobe 9,1%. Hoje, deu fôlego aos negócios com ações decisão do Comitê de Política Monetária (Copom). Conforme o esperado, a taxa Selic caiu 0,50 ponto percentual, para 10,50% ao ano, o que favorece a renda variável.

Veja: Banco Central corta juros para 10,5%, a menor taxa em um ano e meio

Na mesma direção das bolsas europeias e dos índices futuros de Wall Street, o mercado de ações brasileiro subiu. Novos leilões de títulos da Europa e balanços de bancos americanos puxaram as valorizações.

O governo francês vendeu hoje 7,965 bilhões de euros em títulos de dois, três e quatro anos, de uma oferta total de 6,5 bilhões a 8 bilhões de euros. O país pagou juros menores para fazer a colocação do que em ofertas semelhantes anteriores. Além disso, o governo da Espanha vendeu 6,609 bilhões de euros em leilão de títulos, quantidade bem acima da oferta inicial, entre 3,5 bilhões de euros e 4,5 bilhões de euros. O país pagou juros mais baixos nos papéis de prazo mais longo (2019 e 2022) e rendimento pouco mais alto no de 2016. Os ativos tiveram forte demanda, superior a 15 bilhões de euros no total. EUA.

Nos Estados Unidos, o desempenho das instituições financeiras do país ao fim de 2011 foi o foco das atenções. A BlackRock, maior gestora de recursos do mundo, apresentou lucro líquido de US$ 555 milhões (US$ 3,05 por ação) no quarto trimestre do ano passado, recuo de 16% na comparação com igual período de 2010. Excluindo itens extraordinários, o lucro foi de US$ 3,06 por ação, cifra maior que as estimativas dos analistas consultados pela Bloomberg (US$ 2,98 por ação).

Já o Bank of America Corporation (BofA) registrou lucro líquido de US$ 1,99 bilhão no quarto trimestre de 2011, ante prejuízo de US$ 1,24 bilhão um ano antes. O lucro por ação foi de US$ 0,15, em comparação com um prejuízo de US$ 0,16 no ano anterior. Por fim, o Morgan Stanley anunciou um prejuízo de US$ 250 milhões (-US$ 0,15 por ação) durante o quarto trimestre de 2011. No mesmo período em 2010, o banco americano reportou um lucro de US$ 836 milhões. Apesar das perdas, o resultado veio melhor do que as estimativas.

Europa

Em Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,68%, aos 5.741,15 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX encerrou o dia em alta de 0,97%, aos 6.416,26 pontos, com destaque para os papeis do Commerzbank (+14,81%, a 1,62 euros). O CAC 40, principal índice da Bolsa de Paris, subiu 1,96%, fechando aos 3.328,94 pontos. Em Madri, o IBEX 35 registrou uma forte alta, de 2,17%, terminando aos 8.603,80 pontos. Na Bolsa de Milão, o FTSE MIB, ganhou 2,45%, aos 15.651,99 pontos ao final dos negócios.

Dólar

Numa sessão volátil, o dólar marcou a quarta baixa seguida ante o real nesta quinta-feira, atento a mais uma rodada de desvalorização da moeda no exterior em meio à trégua nas preocupações com a crise na Europa.

A taxa de câmbio caiu 0,20%, para R$ 1,7631 na venda. O vaivém, contudo, deu o tom da sessão. Após ser cotado a R$ 1,7590 na mínima da sessão, o dólar engatou um movimento de alta, batendo R$ 1,7741 na máxima, mas perdeu força no final e acabou fechando em queda.

Saiba mais:

Bolsas europeias fecham quinta-feira em alta

Volátil, dólar tem quarta queda seguida com alívio na Europa

(com agências)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.