Tamanho do texto

Maiores altas ocorrem no HSBC, que tem taxa de até 5,99% ao mês

selo

As taxas médias de juros do cheque especial e do empréstimo pessoal voltaram a subir em agosto, de acordo com pesquisa divulgada hoje pela Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon-SP). Entre os sete bancos que participam do levantamento, a taxa média cobrada para empréstimo pessoal subiu para 5,87% ao mês em agosto, ante 5,71% ao mês em julho. A taxa equivale a um juro de 98,34% em 12 meses. Desde o início do ano, a taxa de juros média do empréstimo pessoal acumula alta de 0,60 ponto porcentual. 

As maiores altas ocorreram no HSBC, em que os juros aumentaram de 4,99% ao mês em julho para 5,99% ao mês em agosto; Safra, de 5,40% ao mês para 5,50% ao mês; Bradesco, de 6,32% ao mês para 6,34% ao mês; e Itaú, de 6,43% ao mês para 6,45% ao mês, a maior entre os bancos pesquisados. Caixa e Santander mantiveram suas taxas para esta modalidade de crédito, respectivamente 5,45% ao mês e 5,99% ao mês. O Banco do Brasil também manteve os juros e registrou a menor taxa entre os bancos para essa modalidade, com 5,39% ao mês. 

A taxa média de juros do cheque especial entre os sete bancos pesquisados foi de 9,56% ao mês, superior aos 9,55% de julho. A taxa equivale a um juro de 199,20% ao ano. Desde o início do ano, a taxa de juros média do cheque especial acumula alta de 0,44 ponto porcentual. 

As maiores altas foram verificadas no Bradesco, cujos juros para essa modalidade de crédito passaram de 8,87% ao mês em julho para 8,91% ao mês em agosto; e no Itaú, que aumentou os juros de 9,01% em julho para 9,03% em agosto. Os demais bancos mantiveram os juros estáveis para o cheque especial: Banco do Brasil, com 8,49% ao mês; HSBC, com 9,95% ao mês; e Santander, com 9,99% ao mês. Caixa, que manteve os juros em 8,27% ao mês, registrou a menor taxa entre os bancos pesquisados; e Safra, que também manteve os juros, em 12,30% ao mês, registrou a maior taxa entre as instituições. 

A Fundação Procon-SP orienta que o consumidor fique alerta na contratação de empréstimos e evite o cheque especial. A instituição também orienta que o consumidor só recorra ao empréstimo pessoal caso a relação custo-benefício seja positiva, como para quitar dívidas de cartão de crédito, cobrir o limite utilizado no cheque especial ou para adquirir produtos ou serviços cuja taxa de financiamentos seja maior que a do empréstimo contratado. 

A pesquisa foi feita no dia 2 de agosto. No caso do empréstimo pessoal, foi estipulado um prazo de contrato de 12 meses. Para o cheque especial, o prazo foi de 30 dias. Os dados se referem às taxas máximas prefixadas para clientes não preferenciais, independente do canal de contratação.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.