Tamanho do texto

Principal fator que puxa o resultado do índice para este nível projetado é o grupo Alimentação

selo

O coordenador do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), Paulo Picchetti, afirmou hoje que o indicador da Fundação Getulio Vargas (FGV) deve confirmar, no final de agosto, a projeção da instituição, de uma taxa de inflação de 0,40% para o período.

De acordo com ele, o principal fator que está puxando o resultado do índice para este nível projetado é o grupo Alimentação, cuja expansão foi destaque da terceira quadrissemana do mês. "A previsão de 0,40% para o fechamento de agosto já parece bem próxima de se concretizar", destacou.

Hoje, a FGV informou que o IPC-S registrou taxa de 0,31% na terceira quadrissemana do mês, resultado que mostrou aceleração da inflação ante a alta de 0,17% verificada na segunda leitura do mês.

O grupo Alimentação apresentou avanço de 0,55% contra elevação anterior de 0,14%. "O destaque foi obviamente Alimentação, responsável por 0,12 ponto porcentual da aceleração do IPC-S, ou seja, da quase totalidade da passagem do número da segunda semana para o da terceira", disse Picchetti.

Segundo o coordenador do índice da FGV, o segmento de Frutas (alta de 5,70% ante 2,83%) foi o principal item a pressionar o grupo Alimentação, especialmente por conta do comportamento do preço do limão, cuja elevação passou de 50,10% para uma alta ainda mais expressiva, de 84,43%.

Ele destacou que o segmento de Frutas respondeu por 0,06 ponto porcentual da aceleração do IPC-S e que o limão teve participação de 0,03 ponto porcentual deste movimento.

Outro item em Alimentação que chamou a atenção de Picchetti foi o tomate. O preço do produto, que, na segunda quadrissemana havia recuado 5,65%, passou a apresentar, na terceira medição do mês, uma queda bem mais fraca, de apenas 0,34%.

De acordo com os cálculos de Picchetti, o desempenho no preço do tomate para a estabilidade gerou um impacto de aceleração de 0,02 ponto porcentual para a taxa de inflação entre as duas medições da FGV.

Fora dos grupos tradicionais do IPC-S, Picchetti voltou a destacar o comportamento do grupo Serviços. A alta do conjunto de preços passou de 0,32%, na segunda quadrissemana de agosto, para 0,55% na terceira leitura do mesmo mês.

O IPC-S é um indicador de inflação da FGV que abrange sete capitais do País: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador e Recife. A taxa do final do mês de agosto será divulgada no dia 1º de setembro, segundo o calendário original da instituição.