Tamanho do texto

Em um cenário extremamente volátil, em que pessimismo e oportunidade confundem a cabeça dos agentes de mercado, o melhor é esperar

O pânico vivido nas últimas duas semanas passou. Depois das fortíssimas quedas das bolsas no início de agosto , os mercados vêm registrando altas e baixas menos expressivas. Ainda assim, a volatilidade continua. Neste momento, muitos investidores simplesmente não sabem o que fazer com seu dinheiro. Os analistas evitam fazer projeções, mas afirmam: ninguém deve vender ações se o preço delas estiver menor do que o valor que pagou. Ou seja, não é hora de realizar prejuízos.

Urso e touro: símbolos do pessimismo e do otimismo no mercado de capitais
Getty Images
Urso e touro: símbolos do pessimismo e do otimismo no mercado de capitais
Como os fatores que trouxeram pessimismo aos mercados globais nas últimas semanas ainda não foram resolvidos, não é sensato falar em otimismo, segundo os analistas. Ao mesmo tempo, muitas empresas brasileiras sólidas e com bons fundamentos estão com preços descontados nas bolsas de valores, o que poderia sugerir que o momento é bom para comprar.

Nesta luta entre touros e ursos – termos usados metaforicamente para representar mercados em alta e em baixa, respectivamente - o melhor a fazer é aguardar.

É o que estão fazendo muitos analistas de mercado, que vêm evitando fazer projeções para as bolsas de valores. “O cenário internacional está com uma baita de uma interrogação,” diz Alexandre Espírito Santo, professor do Ibmec-RJ. Mas há um consenso entre eles: a situação é de volatilidade e cautela no curto prazo. Em médio e longo prazos, há esperança de alta para a bolsa.

Considerando este cenário, concordam em uma recomendação: que os investidores só se desfaçam de suas ações caso precisem muito do dinheiro. E, se tiverem nervos de aço , que procurem papéis baratos para comprar, sempre cientes de que podem perder ainda mais em curtíssimo prazo.

Marco Aurelio Barbosa, analista-chefe da Corretora Coinvalores, afirma que “a crise não é nossa, então não faz sentido realizar prejuízo”. Pela lógica, as recentes turbulências da bolsa de valores não são resultado de problemas internos brasileiros, mas de complicações nas economias europeias, que estão buscando soluções para lidar com suas dívidas , e dos Estados Unidos, que precisam cortar gastos , o que deve desacelerar o crescimento econômico.

A bolsa de valores brasileira acaba sendo afetada, uma vez que há uma ligação entre o mercado de ações do Brasil e os externos. “Existe uma correlação que não é desprezível na maior parte do tempo,” diz Odair Abate, estrategista chefe do Votorantim Private Bank.

Isso acontece, entre outros fatores, pelo fato de o Brasil ser exportador, principalmente commodities, para a Europa. Se os europeus estão com problemas econômicos, tendem a comprar menos, o que reduz as receitas das companhias brasileiras.

No entanto, as perspectivas de crescimento do Brasil são positivas . Ainda que possam ser impactadas pelos europeus, as empresas brasileiras estão sólidas, têm um crescente mercado consumidor doméstico e devem apresentar bons resultados financeiros, segundo os analistas.

Assim, é razoável esperar que em algum momento, quando o cenário externo melhorar, os preços das ações tenham um reajuste. A sugestão do consultor financeiro Mauro Calil é que o investidor tenha paciência. “Se estiver no prejuízo, deve aguardar. Se está no lucro, pode investir ainda mais ou vender as ações para realizar o lucro e ficar mais tranquilo,” afirma.

Momento de baixa das bolsas não é bom para vender ações, dizem analistas
Agência Estado
Momento de baixa das bolsas não é bom para vender ações, dizem analistas
Enquanto espera uma melhora da situação externa, principalmente da dívida dos países europeus, o investidor deve estar preparado para fortes emoções na bolsa, segundo Barbosa. “Tem que ficar pronto para mais volatilidade. Quem não quer passar nervoso, deve ficar em renda fixa,” afirma o analista da Coinvalores.

A Europa ainda tem sérios problemas a resolver, acrescenta Abate, do Votorantim Private Bank. “Por enquanto, não dá para dizer que o pior passou,” afirma.

“Eu não me iludo com os ganhos dos últimos dias, sei que isso não é tendência de curto prazo, uma vez que qualquer notícia do exterior tem efeito aqui no Brasil. A bolsa vai ficar ao sabor das notícias internacionais no curto prazo,” acrescenta Barbosa.

Futuro

Na opinião dos analistas, como os fundamentos do Brasil e das empresas nacionais são bons, é possível que as ações mostrem uma recuperação no horizonte de um ano, ou um ano e meio. Por isso, quem tem estômago para aguentar eventuais quedas no curto prazo, pode aproveitar oportunidades na bolsa de valores.

“Os investidores que possuem ações neste momento já estão suportando uma forte perda. Se o seu perfil é de médio ou longo prazo, além de manter a posição, ele pode até comprar um pouco mais”, diz Pedro Galdi, analista-chefe da SLW Corretora. No ano, o Ibovespa já acumula uma baixa de 21%, lembra o analista.

Depositar grandes volumes de dinheiro na bolsa de valores não é recomendável. “Ainda que as perspectivas não sejam ruins internamente, a Bovespa reflete em grande parcela os rumores do mundo,” reforça Abate, do Votorantim Private Bank. Espírito Santo, do Ibmec-RJ, sugere uma exposição máxima de 25% do patrimônio no mercado de ações.

Quem acredita que pode aguentar a volatilidade dos próximos meses, pode buscar papéis de empresas “defensivas”, de infraestrutura e consumo, segundo os analistas. “Companhias com fluxo de caixa previsível, como de saneamento e energia, são opções defensivas, para proteção,” diz Barbosa. Os setores de infraestrutura e consumo interno também são apontados como boas apostas para médio e longo prazos.

Leia mais:

Fitch contratria S&P e mantém AAA para os EUA

Há quatro décadas, finanças globais procuram novo norte

Um mundo sem FMI e Banco Mundial? Essa ideia existiu

Com tensão generalizada, mercado tem déjà-vu de 2008

Se crise persistir, Brasil entrará em recessão, diz Itaú Unibanco


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas