Tamanho do texto

Avaliação é do economista-chefe do Itaú Unibanco, que diz que mercado seguirá ritmo da economia brasileira

selo

A indústria de fundos e o mercado de capitais seguirão o ritmo de crescimento da economia brasileira, atuando como fontes de financiamento do País.

A análise é de Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco, que participou hoje de uma rápida entrevista à imprensa no 5º Congresso Internacional de Mercados Financeiro e de Capitais, em Campos do Jordão (SP). "O Brasil precisa de recursos para seu financiamento, a poupança será relevante e os fundos serão um canal para isso, certamente", avaliou.

Mesmo diante de um cenário turbulento global, no qual a bolsa brasileira tem sofrido bastante ao longo das últimas semanas, Goldfajn vê o mercado de capitais crescendo na esteira da economia brasileira.

"A economia local continua funcionando e precisando fazer o papel dela de financiar o seu crescimento. As empresas vão precisar investir mais. O investimento no curso do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro está e vai continuar aumentando e todas as fontes de investimento terão de ser usadas", finalizou o economista-chefe do Itaú Unibanco.