Tamanho do texto

Por Harpreet Bhal

LONDRES (Reuters) - O principal índice europeu de ações fechou em leve alta nesta quarta-feira, amparado por números acima do esperado do setor imobiliário dos Estados Unidos, que reforçaram as expectativas sobre a recuperação na maior economia do mundo, além de ganhos do setor famacêutico.

Por Harpreet Bhal

LONDRES (Reuters) - O principal índice europeu de ações fechou em leve alta nesta quarta-feira, amparado por números acima do esperado do setor imobiliário dos Estados Unidos, que reforçaram as expectativas sobre a recuperação na maior economia do mundo, além de ganhos do setor famacêutico.

O FTSEurofirst 300 subiu 0,08 por cento, para 1.003 pontos, na terceira valorização seguida e numa sessão volátil, com o indicador patinando entre os territórios positivo e negativo.

Apesar de o índice ter encerrado em alta, as principais praças do continente terminaram em queda, com exceção da bolsa alemã, que fechou estável.

Dados mostraram que as vendas pendentes de moradias usadas nos Estados Unidos alcançaram em abril a máxima em seis meses, o que apreciava os papéis em Wall Street.

As ações da petrolífera BP se recuperaram das mínimas e encerraram em leve baixa de 0,1 por cento, após despencarem 13 por cento na véspera. Operadores disseram que houve compras por parte de hedge funds e investidores, numa aposta de que os papéis irão reagir das recentes quedas.

A companhia dava continuidade aos esforços para conter um vazamento de óleo no Golfo do México, após os EUA iniciarem uma investigação sobre o desastre.

Do lado negativo, os bancos seguiram debilitados por persistentes preocupações de que a crise de dívida na zona do euro possa colocar em risco a recuperação econômica na região. Barclays, HSBC, Société Générale e Deutsche Bank recuaram entre 0,3 e 2,2 por cento.

"Os investidores ainda estão preocupados de que os problemas de dívida da zona do euro ainda não acabaram e isso continuará pairando sobre as ações até que o mercado chegue a um valor mais razoável", disse Koen de Leus, economista na KBC Securities.

Já as famacêuticas registraram ganhos, com GlaxoSmithKline, AstraZeneca, Sanofi-Aventis e Novartis subindo de 0,3 a 2 por cento.

Os papéis da Portugal Telecom subiram 1,5 por cento, depois que a espanhola Telefónica elevou sua oferta pela participação da empresa portuguesa na Vivo para 6,5 bilhões de euros (7,9 bilhões de dólares), ante oferta anterior de 5,7 bilhões de euros.

Em LONDRES, o índice Financial Times fechou em baixa de 0,23 por cento, a 5.151 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX terminou estável, a 5.981 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 teve oscilação negativa de 0,05 por cento, a 3.501 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,5 por cento, para 19.183 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 retrocedeu 0,34 por cento, a 9.268 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 encerrou em queda de 0,65 por cento, para 7.055 pontos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.