Tamanho do texto

Índices futuros das bolsas americanas apontavam para abertura em queda, refletindo o baixo crescimento do PIB da zona do euro

Depois de uma segunda-feira de recuperação, o mercado de ações brasileiro deve seguir hoje atrelado ao rumo das bolsas estrangeiras, em meio a notícias de que a zona do euro cresceu menos que o esperado no segundo trimestre e na espera de indicadores sobre a economia americana.

Por volta de 9h50, o Ibovespa futuro recuava 1,15%, aos 53.970 pontos. Ontem, o principal índice da bolsa brasileira teve valorização de 2,20%, aos 54.651 pontos. Foi a quinta alta seguida do indicador.

Em Wall Street, o Dow Jones fechou com alta de 1,90%, aos 11.482 pontos. O S&P 500 teve acréscimo de 2,18%, retomando a importante linha técnica de 1.200 pontos. E a bolsa eletrônica Nasdaq se valorizou 1,88%, a 2.555 pontos. Nos Estados Unidos, alguns indicadores devem determinar o clima entre os investidores, especialmente o dado referente à produção industrial de julho.

Os índices futuros das bolsas americanas apontavam para abertura em queda, também refletindo a divulgação do baixo crescimento do Produto Interno Bruto da zona do euro, que veio em 0,2% quando as expectativas de mercado previam 0,3%.

O clima negativo deve pesar mesmo diante de notícias positivas referentes a dois gigantes do setor de varejo, Wal-Mart e Home Depot, que tiveram desempenho bom no segundo trimestre do ano.

Há também expectativa em torno da reunião entre o presidente da França Nicolas Sarkozy e a premiê alemã Angela Merkel, que se encontram hoje em Paris para determinar novas medidas para dar credibilidade à zona do euro.

No Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) registrou alta 0,17% na segunda medição de agosto, após recuo de 0,01% na semana anterior, com maior alta reconhecida no grupo alimentação.

Entre as empresas nacionais, O grupo JBS, maior processador de carne bovina do mundo, teve prejuízo de R$ 180,8 milhões no segundo trimestre deste ano, revertendo ganho líquido de R$ 3,7 milhões verificado um ano antes e de R$ 147 milhões apurado nos três primeiros meses de 2011.

Após o encerramento do pregão de ontem, a Petrobras divulgou resultado trimestral com lucro líquido de R$ 10,942 bilhões, o que representa um aumento de 32% frente ao mesmo período do ano passado.