Tamanho do texto

Dia reúne referências divergentes, com o temor em relação à crise grega, a queda do petróleo e dados dentro do esperado nos EUA

Pressionada principalmente pelo desempenho das ações da Petrobras e da OGX Petróleo, e também dos papéis do setor financeiro, a bolsa brasileira opera com leve baixa, no início da tarde desta sexta-feira. No sentido oposto, ações de empresas do setor aéreo avançam na jornada, após a forte queda do petróleo ontem, e papéis de telecomunicações também figuram entre as principais altas do Ibovespa.

Por volta das 13h25, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) cedia apenas 0,14%, aos 61.108 pontos, com giro financeiro de R$ 2,04 bilhões. Vale lembrar que ontem não houve operações no Brasil, por conta do feriado de Corpus Christi.

Em Wall Street, as bolsas recuam desde a abertura dos negócios . Há pouco, o índice Dow Jones tinha desvalorização de 0,60%, enquanto o S&P 500 caía 0,68% e o Nasdaq perdia 0,77%. O cenário externo continua com incertezas, embora as notícias divulgadas na noite de ontem tenham em parte acalmado os agentes.

A Grécia vota na próxima semana o pacote de medidas de austeridade fiscal para receber nova parcela do empréstimo internacional. O ministro das Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, apresentou nesta sexta-feira a uma comissão parlamentar os detalhes dos duros cortes de gastos e aumentos de impostos, depois de negociações difíceis com credores internacionais do país.

Nos Estados Unidos, os dados divulgados ficaram dentro do esperado e, portanto, pouco se refletem nos mercados. Destaque para a revisão final do Produto Interno Bruto do país (PIB), que avançou a uma taxa anualizada de 1,9% no primeiro trimestre deste ano.

O gerente de tesouraria do banco Daycoval, Gustavo Godoy, assinala que a queda do petróleo de ontem repercute no Brasil, nesta sessão. "Hoje o mercado nacional será comandado ainda pelas bolsas americanas. O investidor tende a mostrar mais cautela e o mercado não deve ter liquidez. A Grécia deu um sinal positivo, mas ainda é necessário ver a aprovação do pacote", destaca.

No front corporativo, entre as chamadas "blue chips", Vale subia, instantes atrás, 0,66%, a R$ 44,14, enquanto OGX Petróleo ON cedia 1,46%, a R$ 14,14, e Petrobras PN recuava 1,11%, a R$ 23. Ontem, a Agência Internacional de Energia (AIE) avisou que seus 28 integrantes concordaram em liberar 60 milhões de barris de óleo para o mercado no próximo mês a fim de compensar a interrupção da oferta da Líbia.

Ainda entre as principais baixas do Ibovespa, Cosan ON cedia 1,67%, a R$ 24,09, Natura ON recuava 1,93%, a R$ 39,03, e Fibria ON perdia 2,26%, a R$ 20,73. Já as principais valorizações partiam dos papéis Gol PN (3,34%, a R$ 18,24), TIM Participações PN (2,42%, a R$ 7,60) e ON ( 2,29%, a R$ 8,90) e Telesp PN (2,18%, a R$ 45,42). TAM PN ainda subia 1,95%, a R$ 32,82.

Fora do Ibovespa, o destaque seguia com a trajetória das ações PN da Vale Fertilizantes (25,60%, a R$ 23,74). A Vale pretende fechar o capital de sua subsidiária de fertilizantes. A empresa deve propor aos minoritários uma oferta pública de aquisição das ações (OPA) em circulação, ao preço de R$ 25,00 cada, em dinheiro.

    Leia tudo sobre: Bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.