Tamanho do texto

Ações da Brasil Foods despencaram 6,27%. Após fechamento, relator do Cade votou pela reprovação da fusão Sadia-Perdigão

selo

O mercado de ações brasileiro operou de lado pela manhã, ora em alta ora em baixa, mas à tarde adotou o tom negativo. Apesar da queda, o índice Bovespa fechou longe do menor patamar do dia e ainda no nível de 63 mil pontos, ajudado pelo desempenho dos papéis da Petrobras.

O Ibovespa terminou o dia em baixa de 0,29%, aos 63.032,97 pontos. Na mínima, registrou 62.709 pontos (-0,80%) e, na máxima, os 63.354 pontos (+0,21%). No mês, acumula perda de 2,46% e, no ano, queda de 9,05%. O giro financeiro somou R$ 5,1 bilhões hoje. Os dados são preliminares.

As ações preferenciais (PN) da Petrobras recuaram até ontem por cinco pregões consecutivos (-4,52%) - e a ON, sete pregões (-6,48%) - e abriram uma brecha para compras. Mas várias razões impediram que elas acontecessem nos últimos dias, até mesmo uma interferência política. Hoje, no entanto, a alta do petróleo no exterior trouxe os investidores de volta às ações e Petrobras ON subiu 1,10% e a PN avançou 0,87%. Vale ON ganhou 0,08% e Vale PNA caiu 0,02%.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o contrato futuro de petróleo para julho avançou 1,66%, para US$ 100,74 o barril. A alta foi motivada pelo resultado da reunião da Opep, que não teve consenso para aumento da produção, uma vez que houve divergência quanto à quantidade e o momento exato de elevar os níveis atuais. Além disso, os números de estoques de petróleo norte-americanos mostraram queda acima do previsto e ajudaram a pressionar os preços.

Mesmo com Petrobras em alta, no entanto, a Bovespa não conseguiu acompanhar, diante da fraqueza dos mercados externos. Nos EUA, as declarações da véspera de Ben Bernanke (presidente do banco central) continuaram ecoando no mercado, embora a leitura do Livro Bege, divulgado hoje no meio da tarde, tenha sido positiva e ajudado os índices acionários a diminuírem as perdas. O documento destacou que a economia do país continuou crescendo nos últimos dois meses, acompanhada por uma melhora gradual no mercado de trabalho. E apontou que a perspectiva para os próximos meses é positiva, mas menos otimista do que a observada no relatório anterior.

O Dow Jones terminou em baixa de 0,18%, aos 12.048,94 pontos, o S&P-500 recuou 0,42%, aos 1.279,56 pontos, e o Nasdaq terminou com perda de 0,97%, aos 2.675,38 pontos. Na Europa, as bolsas recuaram em reação a Bernanke e com preocupações com a dívida da Grécia.

De volta ao Brasil, as ações da BRF Brasil Foods foram destaque de baixa, em dia de julgamento da fusão da Perdigão com a Sadia pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Até o fechamento do pregão, o conselheiro relator do Cade não havia concluído a avaliação e feito a leitura do voto. O papel ON perdeu 6,27%, na liderança das quedas do índice.

Depois do fechamento, e com um voto que durou mais de quatro horas, o conselheiro relator do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) no caso Sadia-Perdigão, Carlos Ragazzo, votou pela reprovação da união das empresas , que criou a BRF – Brasil Foods.

Veja também:

Querido do mercado, Palocci cai sem influenciar a Bolsa

Dólar sobe 0,35% com dúvidas sobre recuperação global

    Leia tudo sobre: bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.