Tamanho do texto

SÃO PAULO - A divulgação do Livro Bege pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) não mudou o movimento positivo das bolsas americanas e da brasileira, na tarde desta quinta-feira

SÃO PAULO - A divulgação do Livro Bege pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) não mudou o movimento positivo das bolsas americanas e da brasileira, na tarde desta quinta-feira. O compêndio de dados coletados pelas 12 unidades regionais do Fed mostrou que a economia dos Estados Unidos continuou com crescimento modesto em setembro. Alguns setores da economia ainda demonstram fraqueza, especialmente o mercado imobiliário, que vai mal em praticamente todo o país. Desta forma, o levantamento conclui que a economia não está parada, mas está crescendo muito lentamente, em um ritmo insuficiente para reduzir o desemprego. Para o Banco Fator, o Livro Bege mostra uma economia "andando mais de lado do que para trás", porém reforça a fraqueza da demanda final para consumo e investimentos. Por volta das 16h50, o Ibovespa subia 0,86%, para 70.466 pontos, e girava R$ 5,06 bilhões. O índice reduziu um parte dos ganhos, o que pode ser explicado pela virada das ações da Petrobras para o campo negativo. Em Wall Street, o índice Dow Jones avançava 1,39%, o S&P subia 1,23% e o Nasdaq tinha valorização de 1,07%. Os investidores aproveitam a ausência de notícias negativas para retomar as compras, depois da forte queda das bolsas na jornada passada. Nos Estados Unidos, ainda estão em pauta os balanços corporativos. O assessor da Hera Investimentos, Fernando Campelo, avalia ainda que o ingresso de investimento estrangeiro na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) também contribui para sua trajetória positiva. O fluxo externo no mercado acionário doméstico está positivo em R$ 1,776 bilhão no acumulado do mês, até o dia 18. "O Ibovespa segue com uma tendência de alta e pode buscar as máximas históricas", pontuou. No ambiente corporativo, as principais altas do Ibovespa partiam, minutos atrás, das ações Brasil Ecodiesel ON (6,00%, a R$ 1,06), MMX ON (4,46%, a R$ 13,80) e TAM PN (4,16%, a R$ 40,01). Também no campo positivo estão as ações PNA da mineradoras Vale, com apreciação de 2,47%, a R$ 49,27. Já os papéis PN da Petrobras recuavam, há pouco, 0,27%, a R$ 25,21. As principais baixas do Ibovespa partiam, entretanto, do setor siderúrgico. Enquanto Usiminas PNA cedia 3,32%, a R$ 20,09, os papéis ON da empresa recuavam 2,14%, a R$ 23,29, e as ações ON da CSN perdiam 2,33%, a R$ 27,64. "As siderúrgicas estão passando por um momento bem ruim na Bolsa, com um grande descolamento do Ibovespa. O câmbio favorece um aumento das importações de aço, os estoques estão elevados e há grande oferta no mundo, o que contribui para a redução das margens. A promessa é de resultado ruim no trimestre", apontou Campelo. O Instituto Aço Brasil (IABr) revelou que a produção brasileira de aço bruto alcançou 2,684 milhões de toneladas no mês passado, com contração de 1,2% na comparação anual.Em relação a agosto, quando foram produzidas 2,885 milhões de toneladas, a queda foi de 7%, informou hoje. A importação de aço segue em crescimento no Brasil, chegando a 552,2 mil toneladas apenas em setembro, quase o triplo do volume importado no mesmo mês de 2009 (185,6 mil toneladas). Ainda entre as principais baixas do Ibovespa estavam os papéis ON da Marfrig (-1,81%, a R$ 15,67) e JBS (-2,60%,a R$ 6,73). (Beatriz Cutait | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.