Tamanho do texto

Pressionado principalmente pela virada das bolsas americanas, o Ibovespa chegou a registrar perda, mas agora ensaia recuperação

Depois de abrir o dia no campo positivo, embalado pela melhora de humor internacional e também pela valorização da maior parte de suas ações, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) perdeu força no pregão.

Pressionado principalmente pela virada das bolsas americanas, o Ibovespa chegou a registrar perda no pregão, mas agora ensaia recuperação. Por volta das 13h20, o Ibovespa subia 0,23% e marcava 70.729 pontos, com giro financeiro de R$ 2,524 bilhões. Em Wall Street, no mesmo horário, o índice Dow Jones tinha desvalorização de 0,20%, enquanto o S&P 500 operava estável e o Nasdaq perdia 0,16%.

Analistas ressaltam que as notícias do dia foram positivas, com destaque para a queda dos novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos na semana passada, e também para os balanços corporativos.

No Brasil, as "blue chips" impulsionaram a valorização do Ibovespa no início do dia, mas também perderam força e as ações da Vale começaram, inclusive, a cair. Há pouco, Vale PNA recuavam 0,16%, a R$ 48,64, com giro de R$ 380,2 milhões, enquanto as ações ON cediam 0,21%, a R$ 54,53, com total negociado de R$ 111,4 milhões.

Já os papéis PN da Petrobras subiam 0,61%, para R$ 26,35, com giro de R$ 293,9 milhões. A Vale fechou o terceiro trimestre com lucro líquido de R$ 10,554 bilhões, um salto de 253,4% ante o mesmo trimestre de 2009.

A empresa ainda informou que vai investir US$ 24 bilhões no ano que vem, concentrando 81,3% desse montante em sua expansão orgânica - o que envolve aportes na execução de projetos (US$ 17,535 bilhões) e pesquisa e desenvolvimento (US$ 1,986 bilhão).

O orçamento já foi aprovado pelo conselho de administração da mineradora e corresponde a um aumento de 125,1% sobre os US$ 10,662 bilhões investidos em 12 meses terminados no dia 30 de setembro.

O analista da XP Investimentos, William Castro Alves, assinala que o resultado da Vale foi muito bom, mas que o mercado já esperava um desempenho favorável no trimestre e que pode ter se antecipado aos números, na Bovespa.

E mesmo com a negação da própria empresa, o analista da Leme Investimentos João Pedro Brugger acredita que os rumores de saída do presidente da companhia, Roger Agnelli, têm pesado sobre as ações nos últimos dias.

"Hoje podemos ter apenas uma realização do Ibovespa. O mercado tem repercutido bem os resultados corporativos divulgados e o índice já teria, inclusive, condição para romper os 72 mil pontos, mas nota-se uma resistência nos 71 mil pontos. De toda forma, ainda devemos buscar as máximas históricas do Ibovespa ao fim do ano", ressaltou.

Há pouco, as maiores altas do Ibovespa eram puxadas pelas siderúrgicas Usiminas PNA - que divulgou balanço trimestral - (3,79%, a R$ 20,81) e Gerdau PN (2,81%, a R$ 21,57), além de Lojas Renner ON (2,78%, a R$ 63,93). As principais quedas do índice também eram puxadas por empresas que reportaram os resultados do trimestre, como Redecard ON (-4,48%, a R$ 22,79) e Cielo ON (-2,28%, a R$ 14,51), além de Brasil Ecodiesel ON (-1,83%, a R$ 1,07).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.