Tamanho do texto

Baixa semestral é a maior desde o recuo de 11,16% visto entre janeiro e junho de 2010; no dia, índice teve alta de 0,11%

selo

Apesar do final do mês, de semestre e de as bolsas internacionais operarem em alta nesta quinta-feira, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) oscilou no vermelho praticamente o dia todo, também a despeito do avanço das blue chips. Assim, a pequena elevação do dia foi garantida apenas nos ajustes finais. No semestre, o mercado acionário brasileiro terminou com perdas próximas a 10%.

O índice Bovespa (Ibovespa) terminou a quinta-feira com ganho de 0,11%, aos 62.403,64 pontos. Na mínima, registrou 61.959 pontos (-0,60%) e, na máxima, os 62.574 pontos (+0,39%). O giro financeiro totalizou R$ 5,646 bilhões. Os dados são preliminares.

Em junho, a baixa atingiu 3,43%, a maior desde abril (-3,58%). No trimestre, o Ibovespa ainda perdeu 9%, o pior desempenho desde o mesmo período de 2010. Em 2011, o índice cede 10%, maior queda para o intervalo desde a baixa de 11,16% apurade entre janeiro e junho do ano passado.

Os especialistas encontraram dificuldade em explicar o comportamento da Bovespa nesta sessão, principalmente porque o exterior exibiu alta robusta. Várias foram as hipóteses levantadas: troca de papéis em carteiras pelo investidor; falta de apetite pelos estrangeiros; e a possibilidade de um aumento mais prolongado da taxa básica de juros (Selic), depois que o Relatório Trimestral de Inflação, ontem, deixou essa porta aberta. Nesse último caso, o sinal amarelo acendeu nos setores voltados a consumo, como varejo e construção civil.

Em Wall Street, os investidores fizeram compras pautados pelo noticiário grego e pelos indicadores favoráveis no país. O índice Dow Jones avançou 1,25%, aos 12.414,34 pontos, o S&P teve ganho de 1,01%, aos 1.320,64 pontos, e o Nasdaq fechou em alta de 1,21%, aos 2.773,52 pontos. No mês, os índices recuaram 1,24%, 1,83% e 2,18% e, no ano, subiram 7,23%, 5,01% e 4,55%, respectivamente.

As bolsas europeias também subiram, depois que o Parlamento grego sacramentou, ontem, a aprovação das medidas de arrocho e, hoje, da legislação para colocá-las em prática. Para ajudar, os maiores bancos da Alemanha concordaram em fazer parte de um novo programa de ajuda.

A notícia de que o BG Group dobrou suas estimativas para as reservas de petróleo na Bacia de Santos, no Brasil, favoreceu as ações da Petrobras, que subiram 1,94% na ON e 1,45% na PN. No mês, no entanto, os papéis caíram 2,16% e 1,54% e, no ano, 12,65% e 11,44%, respectivamente. Vale PN subiu 0,71% hoje (-1,51% no mês e -8,99% no ano) e PNA, 0,52% (-0,45% no mês e -6,15% ano). Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), o contrato para agosto subiu 0,68%, a US$ 95,42 o barril.

Veja também o fechamento do dólar: Dólar cai pelo 4º dia, para menor nível desde 2008

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.