Tamanho do texto

O diretor presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto, criticou hoje a iniciativa do governo de taxar o investimento estrangeiro em renda fixa com Imposto sobre Operações Financeiras (IOF)

selo

O diretor presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto, criticou hoje a iniciativa do governo de taxar o investimento estrangeiro em renda fixa com Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Segundo ele, mudanças de regra contribuem para aumentar as incertezas regulatórias, diminuindo o apetite do investidor para trazer recursos para o Brasil. O governo elevou a taxação sobre os investimentos estrangeiros em renda fixa numa tentativa de evitar uma excessiva apreciação do real.

"Temos que ter estabilidade nas regras, porque isso acaba trazendo um desconforto para o mercado como um todo. Entendo a necessidade do governo de administrar a apreciação do real, mas também reconheço que essas mudanças de regra do jogo atrapalham o País, atrapalham o desenvolvimento do mercado", afirmou, durante 11º Congresso Internacional de Governança Corporativa do IBGC, realizado no Rio. "Isso preocupa".

Segundo Edemir, não foram registradas reclamações de estrangeiros sobre a medida. "Não percebi nenhum movimento de estrangeiros, nem eles fizeram contato com a bolsa, isso é um sentimento nosso."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.