Tamanho do texto

SÃO PAULO - O dólar segue praticamente estável, em linha com o cenário externo

. Por volta das 12h10, o dólar comercial caía 0,06% e era cotado a R$ 1,586 na compra e a R$ 1,588 na venda. No mercado futuro, o contrato de julho negociado na BM&FBovespa tinha ligeira depreciação de 0,06%, a R$ 1,589. É válido citar que o preço dólar apresenta pouca variação nesta jornada, devido ao volume reduzido de negócios no mercado de câmbio, na véspera do feriado de Corpus Christi. Os investidores se mostram cautelosos, à espera da reunião do Federal Reserve (Fed), banco central americano, que divulgará a nova taxa de juros básica dos Estados Unidos. A expectativa do mercado é de manutenção do juro entre zero e 0,25%, mas as atenções não estão voltadas a essa decisão, e sim à coletiva de imprensa do presidente do Fed, Ben Bernanke. O mercado espera que ele encerre formalmente o "Quantitative Easing 2" (QE2), programa de recompra de títulos do Tesouro no valor de US$ 600 bilhões. O economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, opina que o Fed deve manter a política de juros baixos, apesar do aumento da inflação. Ele lembra que a prévia divulgada em maio do Produto Interno Bruto (PIB) americano referente ao primeiro trimestre ficou aquém do prognóstico do mercado, com 1,8% (taxa anualizada). Na sexta-feira, será divulgado o dado final. "O que fica de dúvida é a questão do QE2. O mercado espera o fim do programa de recompra de títulos, no entanto isso não significa que a autoridade monetária não voltará a injetar dinheiro na economia futuramente. A questão é que, primeiro, eles avaliarão a reação do mercado ao fim do QE2 e analisarão a situação dos bancos, se apresentam dificuldade de liquidez e estão enquadrados nos limites prudenciais de concessão de crédito", explica Agostini. "Caso o mercado ainda demonstre fragilidade, o Fed deve voltar a recomprar títulos." No que se refere à Europa, o governo grego obteve o voto de confiança do Parlamento, o que abre caminho para aprovação das medidas de austeridade, que serão votadas na próxima terça-feira e são a condição básica para que a Grécia receba nova ajuda financeira do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da União Europeia (UE). O Parlamento da Grécia precisa passar 28 bilhões de euros em cortes orçamentários adicionais e novos impostos e apoiar um programa de 50 bilhões de euros em privatizações para o país ter em mãos 12 bilhões de euros dos empréstimos de resgate. No mercado de câmbio externo, o Dollar Index, que mede o desempenho da moeda americana em relação a seis divisas rivais, registrava queda de 0,15%, aos 74,53 pontos, minutos atrás. O euro, por sua vez, tinha leve apreciação de 0,06% ante o dólar, a US$ 1,441. Nas bolsas de valores, em Wall Street, o Dow Jones tinha pequeno avanço de 0,05%, aos 12.196 pontos, enquanto o Nasdaq subia 0,09%, aos 2.690 pontos. Por fim, o S&P 500 registrava ganho de 0,19%, aos 1.298 pontos. No mercado interno, o Índice Bovespa avançava 0,57%, aos 61.772 pontos. (Karin Sato | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.