Tamanho do texto

Por volta das 10h25, a moeda americana subia 1,32%, cotada a R$ 1,604 na compra e a R$ 1,606 na venda

Os mercados são pautados por forte aversão ao risco nesta quinta-feira e o dólar registra valorização ante as principais rivais, incluindo o euro e o franco suíço.

A piora de humor do investidor estaria relacionada à notícia de que as autoridades reguladoras federais e estaduais nos Estados Unidos estão intensificando o monitoramento das filiais americanas de grandes bancos da Europa, diante do temor de que a crise da dívida europeia possa respingar no sistema bancário dos EUA.

A informação foi passada por pessoas a par da situação ao Wall Street Journal. O Fed Nova York, que supervisiona as operações americanas de muitos bancos europeus, realizou recentemente várias reuniões com credores para avaliar suas vulnerabilidades.

O Fed, segundo as fontes ouvidas pelo WSJ, está pedindo mais informações dos bancos sobre o acesso aos recursos necessários para as operações do dia a dia nos Estados Unidos.

Por volta das 10h25, o dólar comercial subia 1,32%, cotado a R$ 1,604 na compra e a R$ 1,606 na venda. Na máxima, foi a R$ 1,607. No mercado futuro, o contrato de setembro negociado na BM&FBovespa avançava 0,97%, a R$ 1,610. No mercado de câmbio externo, o Dollar Index, que mede o desempenho da moeda americana ante seis divisas, registrava alta de 0,46%, aos 74,13 pontos.

O euro recuava 0,62% em relação ao dólar, a US$ 1,433. As commodities registram queda. O índice CRB operava em baixa de 1,08%, aos 330,57 pontos. No mercado acionário, os índices futuros das bolsas de valores americanas apontam para um início de pregão no território negativo.

No Brasil, o índice Bovespa tinha queda de 3,4%, aos 53.201 pontos. Na agenda de indicadores, o número de pedidos de seguro-desemprego nos EUA aumentou para 408 mil na semana terminada em 13 de agosto, de acordo com o Departamento de Trabalho. Foram 9 mil a mais que os pedidos efetuados na semana imediatamente anterior, número revisado para cima. Economistas esperavam alta menor, para 400 mil pedidos.

Ainda nos EUA, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,5% em julho, na comparação com junho, na série com ajuste sazonal. Foi a maior alta desde março e superior às estimativas de analistas consultados pela Dow Jones, de aumento de 0,3%.

Em junho na comparação com maio, o IPC americano havia recuado 0,2%. O núcleo do índice, que exclui alimentos e energia, teve alta de 0,2% em julho, em linhas com as previsões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.