Tamanho do texto

Investidores procuram rumo para moeda diante de situação de incerteza para dívida da Grécia

Os investidores parecem ainda procurar um rumo para a moeda no pregão, após o feriado de Corpus Christi, celebrado na quinta-feira passada.

Apesar de o mercado de câmbio ter funcionado na sexta-feira, muitas operações foram deixadas para depois. Por volta das 10h30, o dólar comercial recuava 0,06%, cotado a R$ 1,601 na compra e a R$ 1,603 na venda.

No mercado futuro, o contrato de julho negociado na BM&FBovespa declinava 0,15%, a R$ 1,604.

Na sexta-feira passada, a divisa americana havia avançado 0,94%, para R$ 1,602 na compra e R$ 1,604 na venda. Na semana, o dólar ganhou 0,44%. No mercado de câmbio externo, os agentes analisam dados econômicos divulgados mais cedo nos Estados Unidos, enquanto aguardam novidades sobre a Grécia.

Nos próximos dias, o Parlamento grego votará um plano com novas medidas de austeridade fiscal, sem o qual o país não receberá um novo pacote de socorro da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Na agenda de indicadores americana, o Departamento do Comércio dos EUA mostrou que o gasto do consumidor ficou inalterado em maio. Ajustado pela inflação, o gasto caiu 0,1%. Alguns economistas esperavam uma pequena alta. A renda do americano subiu 0,3% ante uma expectativa por parte dos agentes do mercado de avanço de 0,4%. Com ajuste pela inflação, o indicador avançou apenas 0,1% em maio, depois de ter recuado a mesma ordem um mês antes.

Há pouco, o Dollar Index, que mede o desempenho da moeda americana ante uma cesta de seis divisas rivais, avançava 0,06%, aos 75,63 pontos. Por sua vez, o euro tinha um ganho de 0,26% ante o dólar e era cotado a US$ 1,42.

As commodities estão em queda. Minutos atrás, o Índice CRB caía 0,46%, aos 328,42 pontos. Mais cedo, o Banco Central divulgou que fará, nesta segunda-feira, uma consulta aos dealers do mercado de câmbio para verificar a demanda para realização de um leilão de swap cambial reverso, operação que, na prática, significa a compra de dólares no mercado futuro.

Segundo o comunicado da autoridade monetária, a pesquisa será realizada a partir das 18 horas desta jornada. Caso seja constatada uma demanda no mercado, o leilão será realizado amanhã. As condições da operação dependerão do resultado da sondagem.

No leilão de swap cambial reverso, o BC dá às instituições financeiras a variação da taxa de juros (Selic) e recebe, em contrapartida, a variação do dólar. Ficando ativo no swap cambial, o BC assume para si o risco de variação do dólar e paga ao mercado a oscilação da Selic.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.