Tamanho do texto

SÃO PAULO - Após uma decisão em linha com o esperado e um comunicado muito breve, a manutenção da taxa Selic em 10,75% ao ano pelo Copom não está fazendo preço no mercado de juros futuros

. Na noite de ontem, o colegiado do BC disse apenas que deixou os juros estáveis "avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação". Nesta jornada, o aumento dos prêmios de risco parte da queda mais forte que o esperado da taxa de desemprego brasileira em setembro. Há pouco, na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o DI com vencimento em janeiro de 2011 mantinha taxa de 10,64%. Já o DIs de abertura de 2012 e 2013 subiam 0,03 ponto percentual e 0,06 ponto, a 11,30% e 11,72%, respectivamente.. Entre os vértices ainda mais dilatados, o DI do início de 2014 tinha aumento de 0,05 ponto, a 11,69%, enquanto o contrato de janeiro de 2015 ganhava 0,06 ponto, a 11,65%. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que a taxa de desemprego nas seis regiões metropolitanas recuou de 6,7%, em agosto, para 6,2%, no mês passado, a menor leitura da série da pesquisa iniciada em março de 2002. "O aumento dos prêmios está totalmente ligado à taxa de desemprego, que veio bem abaixo da expectativa. Devemos ter uma aceleração da economia brasileira no quarto trimestre", comentou o gestor da SLW Asset Management, Gustavo Gazaneo. Em sua avaliação, assim como o comunicado, a ata a ser divulgada pelo Copom na próxima semana não deve trazer informações relevantes referentes à política monetária e as eleições são um fator decisivo para este tipo de postura mais lacônica por parte do Banco Central (BC). Na avaliação do economista-chefe do Banco Schahin, Silvio Campos Neto, em meio a sinais pouco conclusivos, ao discurso recente do BC e ao próprio processo de transição política, fica evidenciada uma fase de espera na política monetária, que deve incluir também o próximo encontro em dezembro. "Com uma perspectiva claramente assimétrica de riscos inflacionários (para cima do centro da meta), há um viés de alta para os juros em 2011, embora ainda não seja seguro colocar esta hipótese como predominante", apontou Campos Neto, em relatório. O cenário principal do Banco Schahin neste momento contempla a manutenção da Selic até o fim do primeiro trimestre, com risco de algum ajuste para cima no segundo trimestre do ano. Na gestão da dívida pública, o Tesouro realiza leilão tradicional de Notas do Tesouro Nacional - série F (NTN-F), Letras do Tesouro Nacional (LTN) e Letras Financeiras do Tesouro (LFT). Além disso, a instituição realiza resgate antecipado de NTN-F. (Beatriz Cutait | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.