Tamanho do texto

Rendimento cai quando mais investidores procuram bônus para proteção. Ouro sobe e volatilidade aumenta

O rendimento dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos com prazo de dez anos, que são referência nos mercados, atingiu nesta quinta-feira recorde de baixa. Os investidores, assustados com novas notícias ruins sobre a economia mundial, correram novamente para a segurança da dívida dos EUA, o que provoca queda no retorno dos bônus. A rentabilidade caiu para 1,99%, de 2,16% ontem. O recorde anterior foi de 2,03%, diz a CNN Money.

Os preços dos títulos foram puxados para cima – e os rendimentos para baixo – na esteira das fortes quedas dos mercados de ações . A venda de ações em cadeia foi desencadeada por uma série de relatórios econômicos decepcionantes e perspectivas sombrias do Morgan Stanley sobre uma desaceleração da recuperação econômica global.

À procura de um porto seguro, os investidores também voltaram a comprar ouro . A onça do metal valia US$ 1.822,0 às 14h30, com alta de 1,67% na bolsa de commodities dos Estados Unidos, a CME.

Vix

O nervosismo dos mercados de ações pode também ser visto na alta do VIX, a medida chave de Wall Street para volatilidade (quanto mais volátil uma bolsa, mais nervosos os investidores estão). O VIX subiu 31% nesta quinta-feira, saltando para 41,4. Um índice superior a 30 é considerado um sinal de que os investidores estão ficando preocupados, diz a CNN.

Como não poderia deixar de ser, a volatilidade atinge também o Ibovespa. O índice anualizado local aumentou de 13,8% no começo do ano para 57,7% neste mês de agosto.

Segundo Antonio Castro, presidente da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), a bolsa de valores brasileira tem como característica a alta volatilidade, que em momentos de tensões internacionais acaba potencializando os movimentos de baixa, ainda que as maiores preocupações estejam no exterior. Este predicado “não tão bom” da Bovespa pode ser explicado pelo rápido entra e sai dos investidores estrangeiros. Eles são atraídos a investir na Bovespa pelo crescimento brasileiro e pelo alto retorno das ações. No entanto, em momentos de tensão, rapidamente retiram os recursos do País e levam para mercados considerados mais seguros.

De acordo com ele, em momentos ruins, os fundos de investimentos estrangeiros optam por retirar o capital que possuem no Brasil para cobrir os aportes nos Estados Unidos e na Europa. “Se por um lado a bolsa de valores brasileira apresenta o bônus de oferecer uma alta rentabilidade, por outro lado tem o ônus da volatilidade,” afirmou Castro nesta quinta-feira durante o Fórum Deloitte Brasil 2015, em São Paulo.

Sendo mais volátil, muitas vezes a Bovespa acaba sofrendo mais do que outras bolsas de valores, uma vez que suas quedas – assim como altas - podem ser mais intensas. “Um estudo que fizemos em 2008 mostra que enquanto a Bovespa já chegou a triplicar sua pontuação em momentos de otimismo, também chegou a dividir por três em horas ruins. Enquanto isso, a oscilação do índice Dow Jones foi de cerca de 30% apenas, para cima e para baixo,” comenta Castro.

(com CNN)

Veja mais:

Índice que mede volatilidade das bolsas continua longe de 2008